Sestas de mais de uma hora podem ser prejudiciais para a saúde

Dormir a sesta pode ajudar a recarregar baterias, mas um estudo avisa que deve durar menos de uma hora, pois as sestas mais longas estão associadas a uma probabilidade 34 por cento maior de doença cardiovascular em comparação com aqueles que têm por hábito dormir durante o dia.

O estudo apresentado no congresso anual da Sociedade Europeia de Cardiologia também sugere que as sestas curtas (especialmente as de menos de 30 a 45 minutos) “podem melhorar a saúde do coração em pessoas que não dormem o suficiente à noite”.

Um dos autores do texto, Zhe Pan, da Universidade de Medicina de Guangzhou, na China, diz que este estudo “desafia opiniões tão generalizadas”, como que a sesta melhora o desempenho, e contraria as consequências negativas da “dívida do sono” nocturno.

As razões pelas quais a sesta afectará negativamente o corpo “são ainda incertas”, segundo Pan, mas alguns estudos sugerem que as sestas longas estão associadas a níveis mais elevados de inflamação, o que representa um risco para a saúde e longevidade do coração.

Outras investigações também ligaram a sesta à hipertensão, à diabetes e à má saúde física em geral, disse a Sociedade Europeia de Cardiologia em comunicado.

O estudo, que tem em conta não só a duração da sesta como também a quantidade de sono à noite, analisou dados de 313.651 participantes noutras investigações, 39 por cento dos quais dormiam a sesta.

A análise determinou que as sestas de mais de 60 minutos “estavam associadas a um aumento de 30 por cento do risco de morte por todas as causas e de 34 por cento da probabilidade de doenças cardiovasculares em comparação com não dormir a sesta”, destaca o comunicado.

As sestas inferiores a meia hora, segundo o especialista, não são um fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Pan ressaltou para quem quiser fazer uma sesta que o estudo “indica que o procedimentos  mais segura é mantê-la abaixo de uma hora”, enquanto para aqueles “que não têm o hábito de um sono diurno, não há provas convincentes para o começar” a fazer.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.