Índia. Atrás do vírus, chega a discriminação

Quando Sarthak Anand contraiu o novo vírus, os seus vizinhos começaram a tratá-lo como um “criminoso”, um acto de discriminação muito comum nas pequenas cidades e no interior da Índia, onde a epidemia está a ganhar terreno. Uma reportagem da Agência France Press.

“Apesar de já estar completamente curado, ninguém quer se aproximar de mim”, conta à AFP este funcionário público de Meerut, uma cidade do norte da Índia que tem 3,4 milhões de habitantes.

Embora até o momento os principais epicentros da pandemia na Índia fossem as megalópoles de Nova Déli e Mumbai, agora a COVID-19 começa a espalhar-se por regiões com populações menores, mas mais extensas, deste país de 1,3 bilhão de habitantes.

Três semanas depois de ter passado oficialmente um milhão de contágios, a Índia ultrapassou, nesta sexta-feira (7), a barreira dos dois milhões de casos registados, tornando-se o terceiro país do mundo em número de infecções, atrás apenas dos Estados Unidos e Brasil.

Com 41.585 mortes registadas desde o início da epidemia, a segunda nação mais populosa do planeta tem, no entanto, uma taxa de mortalidade relativamente baixa para o tamanho da sua população.

Para a especialista em saúde Preeti Kumar, a possível razão para o aumento dos casos fora das grandes cidades está na retoma da actividade por parte dos trabalhadores migrantes.

“Os casos estão a aumentar particularmente em estados como Bihar e Uttar Pradesh”, regiões do norte cujos trabalhadores ganham a vida nas grandes cidades”, explica Kumar à AFP.

“A discriminação vai me matar”

Todos os distritos do enorme estado de Uttar Pradesh, tão populoso como a França, a Alemanha ou o Reino Unido, estão a ser afectados pela pandemia, apesar do isolamento a que alguns estão votados.

A região, cuja população ultrapassa os 200 milhões de habitantes, já soma mais de 100.000 casos de infecção, em termos oficiais. A capital regional Lucknow regista uma média de 600 casos diários.

Mas os números reais podem ser muito mais elevados, devido aos testes de diagnóstico insuficientes para a enorme população da Índia.

A discriminação associada ao vírus também pode dissuadir os indianos de fazer o teste. As autoridades colocam cartazes em frente às casas das pessoas que testaram positivo.

Ao contrário do que acontece nas cidades, onde o uso de máscaras geralmente é respeitado, as áreas rurais – onde dois em cada três indianos vivem – aderiram pouco à essa medida

Residente em Meerut, Ajay Kumar, também recuperado do vírus, observa que os seus vizinhos proíbem os seus filhos de brincar com os dele: “Não permitem sequer que a minha empregada doméstica venha trabalhar. Isso deixa-me triste e com raiva”, disse. “A doença não vai me matar, mas a discriminação já é outra co conversa”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.