Negligência ou míssil. Um dos dois arrasou Beirute

O presidente libanês Michel Aoun disse na sexta-feira que a terrível explosão no porto de Beirute, que deixou mais de 150 mortos, foi causada “por negligência” ou “intervenção externa”, citando a hipótese de “um míssil”.

“É possível que tenha sido causado por negligência ou por uma acção externa, com um míssil ou bomba”, declarou o chefe de Estado, durante uma entrevista com jornalistas, três dias após a catástrofe.

Esta é a primeira vez que uma autoridade libanesa menciona uma eventual intervenção externa para justificar a explosão. O governo afirmou nos últimos dias que a tragédia foi provocada por um incêndio num enorme depósito de nitrato de amónio.

O chefe de Estado, de 85 anos, disse ter solicitado na quinta-feira ao presidente francês, Emmanuel Macron, a quem recebeu no palácio presidencial, o “fornecimento de imagens áreas para que possamos determinar se havia aviões no espaço [aéreo] ou mísseis” no momento da explosão de terça-feira.

“Caso os franceses não tenham estas imagens, vamos pedir a outros países”, completou Aoun, duramente criticado pela população, que critica a incompetência das autoridades e a corrupção.

O presidente do Líbano rejeitou qualquer tipo de investigação internacional sobre a explosão por considerar que “diluiria a verdade”.

Michel Aoun também afirmou que é necessário submeter a revisão um regime político “paralisado”: “É necessária uma revisão de nosso sistema baseado no consenso porque está paralisado e não permite tomar decisões que possam ser aplicadas rapidamente: devem ser obtidas por consenso e passar por várias autoridades”, disse.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.