Empresa dinamarquesa de gelados abdica do nome “Eskimo”

Uma empresa dinamarquesa decidiu mudar o nome de um dos seus mais populares gelados – “Eskimo” –  porque recorda os inuítes e outros povos do Árctico de “um passado de humilhação e tratamento injusto”. A iniciativa  foi bem recebida por uma deputada da Gronelândia.

“Após uma reflexão cuidadosa, decidimos dar um nome mais apropriado ao gelado”, escreveu a marca Hansens Is na sua página do Facebook, numa altura em que se “multiplicam os debates públicos sobre (…) as desigualdades em relação às minorias e aos povos indígenas”.

A empresa explicou que, inicialmente, não planeava renunciar ao termo, rejeitado pelos cerca de 140.000 mil nativos do Árctico.

Aaja Chemnitz Larsen, uma das duas deputadas que representam a Gronelândia no Parlamento dinamarquês, recebeu com satisfação a decisão, lembrando que o termo significa “devorador de carne crua”, embora a etimologia da palavra ainda seja objeto de debate entre os linguistas.

Por outro lado, a Premier Is – outra fabricante de gelados – já fez saber que tem a intenção de conservar a denominação “Kaempe Eskimo” – “esquimó gigante” –com que baptizou um dos seus produtos.

Colónia dinamarquesa do século XVIII até 1953, a Groenlândia é, desde 1979, um território autónomo da Dinamarca, com uma população de cerca de 55.000 habitantes, na sua maioria inuítes.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.