União Europeia e Índia querem reforçar laços para enfrentar a China

Os líderes da União Europeia e o primeiro-ministro da Índia comprometeram-se esta quarta-feira a desenvolver laços comerciais para lidar com a crise económica causada pela pandemia de COVID-19 e com o aumento das tensões com a República Popular da China.

Os presidentes das instituições europeias Charles Michel e Ursula von der Leyen  reuniram-se por videoconferência com Narendra Modi e concordaram em iniciar um diálogo comercial a nível ministerial.

O comércio bilateral totalizou US$ 115 bilhões em 2019, mas as negociações para um acordo comercial preferencial fizeram pouco progresso.

A Índia, um gigante em ascensão, defende o seu direito de negociar de forma independente dentro da estrutura das regras mundiais, enquanto a União Europeia procura, com os seus acordos comerciais, vincular os seus parceiros a normas mútuas mais rígidas.

Mas Nova Deli e Bruxelas reconhecem o seu interesse mútuo perante uma China cada vez mais consolidada, na eminência do colapso económico global que se aproxima, destacam os analistas.

“A União Europeia é o maior parceiro comercial da Índia e o maior investidor da Índia”, afirmou a presidente da Comissão Europeia, na sequência da cimeira virtual que decorreu esta quarta-feira. “No entanto, o nosso relacionamento global no que toca ao comércio e ao investimento ainda não atingiu todo o seu potencial”, defendeu von der Leyen-

“A reunião mostrou claramente que a União Europeia e a Índia querem fortalecer as suas relações estratégicas para o futuro”, disse o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel. “Um dos resultados mais importantes foi o estabelecimento de um diálogo de alto nível sobre as relações comerciais e de investimento”, apontou, por sua vez, um funcionário do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Índia, Vikas Swarup.

“Os dois lados expressaram o seu compromisso e concordaram em trabalhar em prol de um acordo de comércio e investimento equilibrado, ambicioso e mutuamente benéfico”, acrescentou Swarup.

O desafio representado pela China não foi directamente abordado, mas o roteiro para a parceria estratégica Índia-UE publicado após a cimeira insiste na vontade dos dois parceiros de “trabalhar juntos para manter a paz, a estabilidade, segurança e protecção, em particular no Oceano Índico e no Pacífico, cooperando para preservar a liberdade, a abertura e uma abordagem inclusiva no campo marítimo”.

A República Popular da China tem reivindicações territoriais ambiciosas e contestadas na bacia da Ásia-Pacífico e  desentendeu-se com muitos parceiros e com países da região.

A Europa denunciou a imposição por Pequim de uma nova lei de segurança em Hong Kong e adiou uma cimeira que estava planeada com o presidente Xi Jinping.

Já as relações entre a China e Índia deterioraram-se após um confronto mortal na fronteira no mês passado entre as forças indianas e chinesas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.