Companhias aéreas redirecionam voos para evitar espaço aéreo iraniano

Algumas companhias aéreas comerciais redirecionaram esta quinta-feira os voos que cruzam o Médio Oriente para evitar eventuais perigos no meio da crescente tensão entre os Estados Unidos e o Irão. A transportadora australiana Qantas disse que estava a alterar as suas rotas de Londres para Perth, na Austrália, para evitar o espaço aéreo do Irão e do Iraque até novo aviso.

A rota mais longa significa que a Qantas terá de transportar menos passageiros e usar mais combustível para permanecer no ar por mais 40 a 50 minutos.

As companhias aéreas Emirates e Flydubai, dos Emirados Árabes Unidos, cancelaram os seus voos para Bagdade nos seus portais electrónicos depois dos ataques com mísseis de Irão contra duas bases em território iraquiano que albergam militares norte-americanos.

Fonte da Flightradar, que monitoriza o tráfego aéreo, disse esta quinta-feira que dois voos da Emirates fizeram uma rota diferente para evitar a passagem pelo Iraque, enquanto um voo da Air Canada para o Dubai foi forçado a redireccionar o trajecto pelo Egipto e Arábia Saudita

A companhia aérea Malaysia Airlines confirmou que “devido aos recentes acontecimentos”’, os seus aviões evitariam o espaço aéreo iraniano.

A Singapore Airlines também disse que os seus voos para a Europa seriam redirecionados para evitar o espaço aéreo do Irão.

A Administração Federal de Aviação (FAA) dos Estados Unidos da América disse que estava a proibir pilotos e transportadoras americanas de voar nalgumas áreas do Iraque, Irão e nalgum espaço aéreo do Golfo Pérsico.

Alertou ainda para o “potencial de erro de cálculo ou identificação errónea” de aeronaves civis no meio da escalada da tensão entre os EUA e o Irão.

Tais restrições costumam ser preventivas, por natureza, para impedir que aeronaves civis sejam confundidas com as que estão envolvidas em conflitos armados.

A FAA disse ainda que as restrições estão a ser emitidas devido a “actividades militares mais activas e ao aumento das tensões políticas no Médio Oriente, que apresentam um risco para as operações de aviação civil dos Estados Unidos da América”.

As restrições de voo surgem na sequência dos ataques iranianos com mísseis balísticos, na terça-feira, a duas bases iraquianas (em Ain al-Assad e Arbil) que abrigavam tropas norte-americanas.

Esta acção foi assumida pelos Guardas da Revolução iranianos como uma “operação de vingança” da morte do general Qassem Soleimani, comandante da força de elite Al-Quds, que morreu na sexta-feira num ataque aéreo em Bagdad, capital do Iraque, ordenado pelo Presidente dos EUA, Donald Trump.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.