Defesa de Ghosn considera que a investigação sobre a Nissan está enviesada

A defesa do ex-presidente da Nissan e da Renault, Carlos Ghosn, considerou esta quarta-feira que a investigação que acusa o empresário de má conduta financeira tem falhas, está enviesada, carece de independência e apenas está a decorrer para o derrubar.

Ghosn fugiu do Japão para o Líbano há uma semana e, apesar de ainda não ter aparecido em público, poderá dar uma conferência de imprensa durante o dia de hoje.

O empresário tinha de se apresentar, nos próximos meses, perante os tribunais de Tóquio para responder às irregularidades financeiras de que é acusado durante a gestão da Nissan Motor.

Ghosn está acusado de ter alegadamente ocultado às autoridades japonesas remunerações negociadas com a Nissan e de ter usado os fundos da companhia para cobrir gastos pessoais e perdas financeiras.

Detido pela primeira vez em 19 de Novembro de 2018 e, depois, em 25 de Abril passado, Ghosn ficou em liberdade sob fiança, após a segunda detenção, com comunicações e movimentos limitados e proibido de sair do país.

As autoridades japonesas pediram à Interpol que detenha preventivamente Ghosn até que seja extraditado para responder perante os tribunais do país.

O empresário, que liderou o grupo automóvel japonês durante duas décadas, reiterou a sua inocência e disse que a Nissan queria bloquear uma fusão total com o parceiro francês Renault.

A justiça japonesa emitiu um mandado de prisão para Carole Ghosn, mulher do ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn, suspeita de falso testemunho no processo que envolve o marido, avançaram hoje as agências de notícias japonesas.

A acção contra Carole Ghosn, que não está no Japão, surge na sequência da fuga do marido para o Líbano há uma semana após ser libertado sob fiança, enquanto aguardava julgamento por suposta má conduta financeira.

Detalhes sobre as alegações contra Carole Ghosn não foram divulgados.

Carole Ghosn foi proibida de se encontrar com marido porque as autoridades suspeitavam de que poderia ajudar o marido a fugir.

O Líbano e o Japão não possuem um tratado de extradição.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.