Fundação Macau concedeu apoios de 1160 milhões de patacas

Bem mais de mil milhões de patacas, distribuídos por 2200 iniciativas. Em 2017, o organismo presidido por Wu Zhiliang distribuiu apoiou acções de natureza educativa, de investigação e assistência social, mas também iniciativas de apoio aos residentes do território que sofreram prejuízos aquando da passagem do tufão Hato por Macau, a 23 de Agosto.

A Fundação Macau concedeu, ao longo do ano passado, apoios no valor de 1.160 milhões de patacas a mais de 2.200 iniciativas, afirmou esta segunda-feira o presidente do conselho de administração do organismo.

A maior parte do valor foi aplicado no desenvolvimento de acções de natureza educativa e de investigação (44 por cento), serviços de assistência social (15 por cento) e actividades de caridade e voluntariado (11 por cento), disse Wu Zhiliang, numa intervenção de balanço dos trabalhos da Fundação Macau durante um encontro com a imprensa.

No ano passado, a “Fundação continuou a aperfeiçoar o regime de concessão de apoios financeiros e a aumentar os benefícios sociais dos projectos subsidiados, de modo a acompanhar a evolução social ao longo do tempo”, disse.

Wu Zhiliang destacou o segundo ano do “Programa Mil Talentos”, e a criação de a “União Mil Talentos”, uma plataforma de aprendizagem e troca de conhecimentos e experiências. No ano passado, a Fundação criou o Conselho de Cultura e História, de divulgação, ensino, investigação e cooperação, e formou 117 embaixadores no âmbito do “Projecto de Formação de Embaixadores de História e Cultura”, explicou Wu.

O responsável destacou ainda o lançamento da bolsa de estudo “Uma Faixa, Uma Rota” para promoção do território como plataforma de intercâmbio e de formação, e também a realização da “Conferência internacional ‘Faixa e Rota’ e o desenvolvimento de Macau”.

Wu Zhiliang lembrou também dois projectos, promovidos pela Fundação, de preservação da cultura do território, “Memórias de Macau” e a edição da “Colectânea das crónicas das dez artes e cultura chinesa – Tomos de Macau”, que serviram para organizar “de forma sistemática os dados mais importantes sobre a cultura e a história” da cidade.

Divulgar os artistas locais e permitir a formação de novos talentos foram outros objectivos desenvolvidos ao longo do ano passado em dois projectos, um de promoção e outro de espectáculos:

“A Fundação realizou cerca de noventa exposições, espectáculos, competições, palestras, seminários e actividades de intercâmbio”, sublinhou Wu Zhiliang, acrescentando a publicação de 30 livros e edições periódicas.

Em Agosto, a passagem do tufão Hato, que causou dez mortos, mais de 240 feridos e danos avultados, levou a Fundação Macau a responder com o “projecto de ajuda especial aos prejuízos”, com atribuição de subsídios aos familiares das dez vítimas mortais, de assistência médica aos 246 residentes feridos, às famílias que sofreram estragos nas residências, e às famílias afectadas pelo corte do abastecimento de eletricidade e água.

A Fundação recebeu 6.600 pedidos de subsídios ao abrigo do projecto de ajuda especial aos prejuízos causados pelo Hato e 6.344 pedidos de subsídios para restauração residencial. Destes últimos, foi concluída a análise de 70 por cento.

Até final de 2017, o montante de subsídios atribuídos ao abrigo do projecto de ajuda especial atingiu 494 milhões de patacas, indicou o presidente do Conselho de Administração da Fundação Oriente.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.