Biodiversidade marinha em risco se alterações climatéricas não forem travadas

Um estudo conduzido por especialistas da Universidade da Califórnia concluiu que as reservas de peixe poderão cair para metade em certas zonas do planeta se o padrão actual das alterações climatéricas não for invertido. Os cientistas esperam que ao longo dos próximos trezentos anos as temperturas possam subir até 9,6 graus centígrados.

As reservas de peixe e a biodiversidade marinha poderão baixar para menos de metade no Atlântico e no Pacífico num período de trezentos anos se as alterações climatéricas não forem travadas, de acordo com um estudo publicado na revista Science por investigadores da Universidade da Califórnia.
Os responsáveis pelo estudo conduziram simulações computorizadas de como será o mundo no século XXIV se os padrões das alterações climatéricas se mantiverem e chegaram à conclusão que as temperaturas poderão subir até 9,6 graus centígrados. Uma subida tão drástica deverá alterar os padrões dos ventos, aumentar a temperatura da água do mar e derreter quase todo o gelo das regiões polares.
Em termos de biodiversidade marinha, o resultado será uma quebra mundial média de 20 por cento, chegando até aos 60 por cento no Atlântico Norte e mais de 50 por cento no oceano Pacífico.
“Sem o gelo flutuante, que actualmente bloqueia a maior parte da luz solar, aumenta a fotossíntese”, afirmou Keith Moore, um dos especialistas da Universidade da Califórnia responsável pelo estudo, referindo que com as alterações do clima previstas, o fitoplâncton de que os peixes se alimentam ficará concentrado na Antárctida, em vez de descer para as latitudes mais baixas. Ao mesmo tempo, deixará de estar à superfície, descendo para profundidades maiores.
O clima está em mudança mas o calor adicional que se deverá fazer sentir vai permanecer à superfície: “Serão necessários séculos até esse calor chegar ao oceano mais profundo, alterando as correntes e acabando com o gelo polar”, referiu.
“É isso que vai acontecer se não travarmos o aquecimento global, que será uma catástrofe para os oceanos”, salientou, admitindo que ainda há tempo de evitar a maior parte deste aquecimento e estabilizar o clima até ao fim do século XXI.
Para isso, é preciso “reduzir agressivamente o uso de combustíveis fósseis e as emissões de poluentes com efeito de estufa”, defendeu Moore.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.