Wong, Chow e Lam. Activistas de Hong Kong condenados por envolvimento nos protestos de 2019

Joshua Wong, Agnes Chow e Ivan Lam, três jovens ativistas pró-democracia de Hong Kong foram esta quarta-feira condenados a penas de prisão pelo papel que desempenharam nas manifestações massivas de 2019 na antiga colónia britânica.

Condenado a 13 meses e meio de prisão, Joshua é, sem dúvida, o mais famoso dos dissidentes de Hong Kong da nova geração, Joshua Wong, de 24 anos, tem sido um “pesadelo” de Pequim desde há uma década. Ainda adolescente, lançou-se no activismo político e, em 2012, obteve grande sucesso com uma campanha contra o plano de impor aulas de patriotismo chinês nas escolas. O governo recuou, após um protesto que reuniu 120.000 pessoas. Em 2014, junto com outros líderes estudantis, desempenhou um papel importante na Revolução dos Guarda-Chuvas, incitando a multidão à desobediência civil para exigir reformas democráticas. Pequim não fez qualquer concessão.No ano passado, quando começou a grande mobilização, esteve preso por sua participação nos protestos anteriores. Uma vez solto, voltou ao movimento, personificando, para a opinião pública internacional, a resistência a Pequim na antiga colônia britânica.

A imagem do seu olhar determinado escondido atrás dos óculos estampou a primeira página de muitos jornais ao redor do mundo. Foi eleito uma das pessoas mais influentes do mundo por publicações como a “Time”, a “Fortune” e a “Foreign Policy”.

Durante as gigantescas manifestações de 2019 denunciou a interferência da China na antiga colónia britânica, Wong reuniu-se com representantes políticos europeus e americanos, apoiando a adopção de sanções contra Pequim.

Pouco antes da entrada em vigor da lei de segurança nacional imposta por Pequim, o Demosisto, o partido político que ajudou a fundar, foi dissolvido.

Dez meses de prisão para Agnes Chow

Condenada a 10 meses de prisão, Agnes Chow, de 23 anos, pertence à mesma geração de militantes pró-democracia que estão na política desde a adolescência e que Pequim quer silenciar.

Vinda de uma família católica e apolítica, entrou para o activismo aos 15 anos, aderindo ao movimento que lutava contra a imposição de cursos de patriotismo chinês.

Como Wong, tornou-se uma figura importante na Revolução dos Guarda-Chuvas, para mais tarde co-fundar o Demosisto.

Em 2018, foi a primeira candidata a ser vetada pelo Executivo de Hong Kong para concorrer às eleições, argumentando que o seu partido defendia a “auto-determinação”.

Desde então, a proibição de candidatos pelas suas opiniões políticas tornou-se um procedimento comum na antiga colónia britânica. O maior sucesso da jovem foi atrair a atenção da comunidade internacional para o movimento pró-democracia em Hong Kong, em parte devido à sua fluência em inglês, cantonês e japonês.

Chow conseguiu criar um enorme impacto nas redes sociais, principalmente no Japão. A sua conta no Twitter, onde escreve principalmente em japonês, tem quase um milhão de seguidores.

Agnes Chow foi uma das primeiras figuras proeminentes da oposição presa sob a lei de segurança nacional, acusada de “conluio com potências estrangeiras”. O crime é passível de ser punido com prisão perpétua.

Embora menos conhecido do que seus dois colegas, Ivan Lam, de 26 anos, não é um novato na política. Filho de um agente da polícia, estudou na mesma escola que Wong e esteve ao lado dele na luta contra uma “educação patriótica”. Sofreu quatro condenações por manifestações pró-democracia, ou por protestos contra propostas do governo. Também contribuiu para a criação do Demosisto, do qual foi presidente até à sua dissolução.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.