EUA. Cientistas estudam spray nasal para prevenir a Covid-19

Cientistas da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos da América, e da empresa de biotecnologia Regeneron estão a investigar se uma tecnologia desenvolvida para terapia genética pode ser usada para criar um spray nasal que evite infecções pelo novo coronavírus.

A ideia é utilizar um vírus enfraquecido como veículo para levar instruções genéticas às células do nariz e da garganta, para que criem anticorpos capazes de impedir o coronavírus de invadir o corpo humano.

Os cientistas estão a estar a nova tecnologia em animais. Segundo o responsável pelo projecto, o professor de Medicina James Wilson, se o spray funcionar,  poderá proporcionar cerca de seis meses de protecção com uma única dose.

Wilson é um pioneiro da terapia genética, que envolve a inserção de código genético nas células dos pacientes para corrigir defeitos e tratar doenças.

A sua equipa de investigação descobriu que vírus adeno-associados, que infectam animais e outros primatas sem causar doenças, podem ser modificados para transportar DNA saudável para as células.

Esse trabalho levou à aprovação em 2019 do Zolgensma, o primeiro tratamento para atrofia muscular espinhal, e outras possíveis aplicações dos vírus adeno-associados estão agora a ser investigadas.

O governo dos EUA entrou em contato com Wilson em Fevereiro para ver se sua equipa poderia usar a tecnologia contra a Covid-19.

Porém, os cientistas da Universidade da Pensilvânia não conseguiram avançar antes que a Regeneron desenvolvesse dois promissores anticorpos sintéticos contra o coronavírus, que aderem à superfície da proteína do patógeno, impedindo que ele invada as células.

Os anticorpos da Regeneron estão em ensaios clínicos, mas já receberam aprovação de emergência para uso em pacientes com Covid-19 leve ou moderada com alto risco de sofrer uma variante grave da doença.

Os médicos que trataram o presidente dos EUA, Donald Trump, quando ele contraiu o coronavírus, administraram especificamente esses anticorpos.

Os investigadores esperam que o spray nasal seja capaz de entrar nas células epiteliais nasais e modificar a sua produção de proteínas para que possam gerir os anticorpos da Regeneron.

Normalmente, as células imunológicas são as únicas que podem criar anticorpos, o que torna este projecto um conceito bastante inovadora.

Como o coronavírus entra nos pulmões através da passagem nasal, o spray pode prevenir a infecção.

Os vírus adeno-associados também têm a vantagem de criar apenas uma resposta imunológica leve, de modo que os seus efeitos colaterais podem ser menos graves do que os de vacinas mais avançadas, que treinam o sistema imunológico para reconhecer uma proteína-chave do coronavírus.

A Universidade da Pensilvânia e a Regeneron esperam terminar os seus testes em animais em Janeiro, para então procurar obter autorização da agência de medicamentos dos EUA para iniciar os testes em humanos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.