Covid-19. Na iminência de uma quarta vaga, Hong Kong endurece restrições

Hong Kong reinstaurou, esta segunda-feira, um conjunto de novas restrições a para tentar travar a quarta onda de contágios com a qual a antiga colónia britânica está confrontada.

Há quase um ano, Hong Kong proibiu reuniões de grandes grupos e fechou sectores-chave da sua economia, devido a picos de contágio. A decisão limitou os casos a cerca de 6.000, e as mortes, a 109, para uma população de 7,5 milhões de habitantes.

Nos últimos dias, porém, o número de infecções diárias subiu para mais de 100, obrigando as autoridades a impor algumas das rígidas restrições que impuseram na Primavera e no Verão: “Esta nova onda chegou muito rápidamente a Hong Kong”, disse a chefe do Executivo, Carrie Lam, em declarações à imprensa.

As novas medidas entram em vigor na quarta-feira,  acrescentou a responsável.

Cerca de  170.000 funcionários públicos vão trabalhar de forma remota, a menos que a sua presença física seja essencial. Nesse sentido, Carrie Lam pediu ao sector privado que siga esta medida.

As reuniões públicas são limitadas a duas pessoas, e os restaurantes poderão servir apenas duas pessoas por mesa. Escolas, bares e boates permanecerão encerradas.

As novas restrições estendem- se a outros locais de entretenimento, como karaokes, parques de diversões e salas de Mahjong. Ginásios e salões de beleza vão permanecer abertos, ainda que com rígidos limites de capacidade.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.