Covid-19. Moderna pede luz verde para a vacina nos EUA e na Europa

A farmacêutica norte-americana Moderna anunciou esta segunda-feira que vai apresentar pedidos de autorização de emergência para que a sua vacina contra a covid-19 possa ser comercializada nos Estados Unidos e na Europa, depois de os resultados completos dos testes terem confirmado uma alta eficácia do produto (94,1 por cento).

Duas semanas depois de ter anunciado uma eficácia de 94,5 por cento com base em resultados preliminares, a Moderna afirmou que dos 196 participantes no seu teste clínico que foram infectados pela Covid-19, 185 pertenciam ao grupo placebo, e 11, ao grupo vacinado, com uma eficácia calculada de 94,1 por cento.

Isto significa que as pessoas vacinadas viram o risco de contrair Covid-19 reduzido em 94 por cento em comparação com as pessoas que não foram vacinadas, uma eficácia similar à da vacina da Pfizer/BioNTech (95 por cento).

Nenhuma forma grave da doença foi registada no grupo vacinado, contra 30 no grupo placebo.

A Moderna informou que não foram observados novos efeitos colaterais graves nos voluntários vacinados, mas não declarou, de modo explícito, se foram observados inicialmente efeitos colaterais graves.

Em 16 de Novembro, a empresa anunciou que a vacina era “geralmente bem tolerada” e não tinha provocado “preocupações de segurança importantes”.

As reacções mais frequentes não foram graves, como dor na área próxima à injecção no braço, cansaço, rigidez muscular, ou dor de cabeça.

Um participante dos testes clínicos faleceu, mas estava no grupo a quem foi administrado um placebo.

A Moderna informou que a eficácia observada da sua vacina foi uniforme de acordo com idade, género e etnia: “Esta análise positiva preliminar confirma a capacidade de nossa vacina para prevenir a Covid-19 com uma eficiência de 94,1 por cento e, significativamente, a capacidade para prevenir a forma grave de Covid-19”, disse Stéphane Bancel, CEO da Moderna.

A empresa apresentará o que se denomina nos Estados Unidos de solicitação de autorização de emergência da Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês), que deve convocar o comité de consulta sobre vacinas a 17 de Dezembro. O encontro poderia permitir, em caso de aprovação, a distribuição nos dias seguintes.

A Moderna também apresentará nesta segunda-feira um pedido de uso condicional à Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

A vacina Pfizer/BioNTech já está a ser avaliada pela FDA e pode receber autorização pouco depois de 10 de Dezembro.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.