Serviços de Saúde suspendem médico que ocultou estadia em Qingdao

A direcção do Centro Hospitalar Conde de São Januário suspendeu um cirurgião plástico que se deslocou à cidade continental de Qingdao –  onde foi recentemente detectado um surto local de Covid-19 –  e não informou os responsáveis pelo hospital público do território.

O clínico esteve no norte da China no final de Setembro e no início do corrente mês, tendo regressado a Macau a 5 de Outubro e regressado ao trabalho no dia seguinte.

A 13 de Outubro, o Governo anunciou que os viajantes oriundos de Qingdao teriam que se submeter a quarentena à chegada ao território. O cirurgião plástico já se encontrava na RAEM quando as novas prerrogativas de saúde foram emitidas, ocultou aos seus superiores que tinha estado na cidade e deixou de mostrar o código de saúde à entrada do Centro Hospitalar Conde de São Januário com a entrada em vigor das novas formalidades sanitárias.

A falha levou a Direcção dos Serviços de Saúde a suspender o clínico e a abrir um processo de investigação. Apesar do comportamento do cirurgião plástico ter criado mal-estar no hospital público, os Serviços de Saúde dizem que o médico “não manifestou qualquer indisposição” e os dois testes de ácido nucleico realizados “foram negativos e o exame realizado aos anticorpos do vírus” revelam que o clínico não foi infectado. O organismo liderado por Lei Chin Ion esclarece que a possibilidade de infecção entre os médicos que estiveram em contacto com o cirurgião e os doentes “é baixa”.

O clínico, que deixou Qingdao já há mais de duas semanas, foi ainda sujeito a um período de quarentena de sete dias. O pessoal hospitalar e os pacientes com quem o cirurgião plástico esteve em contacto foram submetidos a testes de ácido nucleico de despistagem do novo coronavírus.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.