China culpa políticos americanos pela má imagem de que goza no Ocidente

O governo chinês atribuiu, na sexta-feira, a má imagem de que goza nos países ocidentais às “mentiras de certos políticos  norte-americanos”, após a divulgação das conclusões de um estudo publicado nos Estados Unidos da América esta semana.

De acordo com um estudo publicado na terça-feira, a percepção da China em vários países está no seu ponto mais baixo em várias décadas, especialmente devido às críticas à sua gestão da pandemia de Covid-19.

De acordo com o estudo, realizado num total de 14 países, 73 por cento dos norte-americanos têm opinião negativa sobre a China, um aumento de 20 por cento desde a chegada do presidente Donald Trump à Casa Branca, em 2017.

A reputação da República Popular da China está ainda mais degradada na Austrália, país que está a ser afectado pelas suas sanções comerciais. Entre os entrevistados australianos, 81 por cento têm uma opinião negativa sobre a China, o que implica um aumento de 24 por cento em apenas um ano.

A imagem do “gigante asiático” também está em baixa em países como o Reino Unido, o Canadá, a Alemanha, a Holanda e a Suécia, bem como na Coreia do Sul. Na França, 70 por cento dos entrevistados têm uma opinião negativa da China.

Numa conferência de imprensa realizada na sexta-feira, a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Hua Chunying, garantiu que a pesquisa representa apenas o ponto de vista dos países ocidentais: “Há algum tempo, e com o objectivo de distrair a atenção, alguns políticos americanos usam a pandemia e outras questões como pretextos para difamar e demonizar a China, semeando mentiras e desinformação”, denunciou, sem apontar directamente o dedo ao presidente Donald Trump que, em várias ocasiões, referiu-se ao vírus responsável pela pandemia como sendo o “vírus chinês”: “Isso apenas induz a um grande erro os cidadãos dos Estados Unidos e de outros países ocidentais sobre a luta da China contra a epidemia”, acrescentou a porta-voz.

O coronavírus apareceu na China no final de 2019, e o regime comunista tem sido criticado por sua falta de transparência, assim como pela sua reacção no início da epidemia.

O país conseguiu quase erradicar a doença, que deixou 4.634 mortes entre Janeiro e Maio, enquanto que no mundo o número de óbitos já passa de um milhão: “Espero que a imprensa estrangeira e os jornalistas que trabalham na China cubram esse assunto de forma mais objectiva”, disse a porta-voz de Pequim.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.