Futuro do Fórum Macau dá o mote a seminário

Representantes da República Popular da China e dos países lusófonos vão estar amanhã reunidos para discutir o futuro do Fórum Macau, no âmbito das celebrações dos quinze anos do organismo. Ao longo do ano a efeméride vai ser celebrada com outras iniciativas, como colóquios ou a semana cultural.

As estratégias de desenvolvimento do Fórum de Cooperação Económica e Comercial entre a República Popular da China e os Países Lusófonos vão estar em foco, esta quarta-feira, num seminário alusivo ao 15.º aniversário do estabelecimento do organismo.

Representantes do Continente e dos países de língua portuguesa, incluindo responsáveis da organização, vão abordar, nesta primeira iniciativa, o mecanismo do Fórum, a sua eficácia, os benefícios decorrentes para os Estados-membros e os contributos dados para a afirmação de Macau como plataforma de cooperação com os países de língua portuguesa, de acordo com um comunicado da organização.

Na altura em que assinala década e meia de existência, o Secretariado Permanente do Fórum aposta no reforço do apoio ao Governo de Macau na construção da plataforma de serviços para a cooperação comercial entre a China e os países de língua portuguesa. Ao longo do ano está prevista a realização de várias actividades, como colóquios e a semana cultural.

O Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, mais conhecido como Fórum de Macau, vai continuar a promover a cooperação económica e comercial e o intercâmbio cultural entre a China e os países lusófonos através de medidas conjuntas promovidas por Pequim, pelos países de língua portuguesa e por Macau, indicou, na mesma nota, a secretária-geral, Xu Yingzhen.

No mês passado, uma delegação do Fórum de Macau reuniu-se, em Pequim, com os embaixadores ou representantes de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e Timor-Leste.

Criado em 2003 por iniciativa de Pequim, o Fórum Macau tem um Secretariado Permanente, reúne-se a nível ministerial a cada três anos e integra, além da secretária-geral, Xu Yingzhen, e de três secretários-gerais adjuntos, oito delegados dos países de língua portuguesa: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Em 2017, as trocas comerciais entre a China e a Lusofonia fixaram-se em 117.588 milhões de dólares, verificando-se um crescimento de 29,4 por cento no trato comercial entre os países membros do organismo.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.