Ourivesaria portuguesa mostra-se em Hong Kong

A empresa J. Soares Joalheiros é uma das seis entidades portuguesas que marcam presença na Feira Internacional de Joalharia de Hong Kong. A iniciativa decorre na vizinha Região Administrativa Especial entre hoje e a próxima segunda-feira.

Seis empresas portuguesas de joalharia participam entre hoje e a próxima segunda-feira na Feira Internacional de Joalharia de Hong Kong, um evento que reúne na vizinha Região Administrativa Especial cerca de 2500 expositores e cerca de 25 mil visitantes profissionais, oriundos de mais de meia centena de países e regiões.

Das seis empresas portuguesas presentes em Hong Kong, a J. Soares Joalheiros é a única que se estreia em grandes eventos internacionais.

Em declarações à agência Lusa, a secretária-geral da Associação de Ourivesaria e Relojoaria Portuguesa (AORP), Fátima Santos, afirmou que a participação representa “a continuação da aposta no mercado de Hong Kong”, depois de algumas empresas terem marcado presença na feira de joalharia e pedras preciosas, realizada na antiga colónia britânica em Setembro passado: “Além de ser um mercado interessante, esta feira é uma plataforma que atrai gente de todo o mundo e onde os negócios não se limitam à Ásia, e se fazem com muitos compradores europeus, aqui presentes”, considerou a responsável, sobre uma das maiores e mais importantes feiras do sector a nível mundial.
A feira de Hong Kong constitui a terceira participação da Rota da Filigrana – um projecto desenvolvido pela Câmara Municipal de Gondomar – num grande certame internacional. A iniciativa “cativa os visitantes pelas demonstrações ao vivo da arte e talento dos artesãos portugueses”, afirmou Fátima Santos. “Conhecer os bastidores da produção de uma peça de filigrana, com artesãos a trabalharem no local, atrai sempre os visitantes”, acrescentou.
A dirigente da Associação de Ourivesaria e Relojoaria Portuguesa destacou a estreia em feiras internacionais de joalharia da J. Soares Joalheiros, de Gondomar, que se junta a cinco marcas portuguesas: Alma e Coração, Bruno da Rocha, Coquine, Galeiras e Styliano Jewellery.
Foi em Hong Kong que a Associaçãao identificou a apetência dos representantes japoneses que visitavam os expositores portugueses, o que abriu caminho à primeira participação na feira de Tóquio, em Janeiro: “A feira revelou-se muito interessante. É um mercado muito maduro, onde já estão todos os outros países, mas que mostrou uma grande apetência pelos produtos portugueses e muito interesse pelos trabalhos em filigrana”, disse Fátima Santos. A dirigente lidera a representação portuguesa em Hong Kong, terceiro maior importador de joias do mundo.
O mercado asiático é uma das grandes apostas do projecto de internacionalização da joalharia portuguesa da Associação de Ourivesaria e Relojoaria Portuguesa.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.