Máxima eficácia da vacina da AstroZeneca é fruto do acaso

Um golpe de sorte e um erro de doseamento poderão abrir caminho para a AstraZeneca e a Universidade de Oxford solicitarem uma aprovação regulatória para a sua vacina contra Covid-19.

A AstraZeneca disse na segunda-feira que a vacina pode ter cerca de 90 por cento de eficácia, quando administrada em meia dose, seguida por uma dose completa um mês depois, citando dados dos testes em estágio final conduzidos no Reino Unido e no Brasil.

“A razão de termos tido uma meia dose foi o acaso”, disse Mene Pangalos, chefe de investigação e desenvolvimento não-oncológico da AstraZeneca, em declarações à agência Reuters.

Um grupo maior que tinha recebido duas doses completas, tal como planeado, demonstrou um índice de eficácia de 62 por cento, o que levou a uma eficácia geral de 70 por cento nos dois padrões de dosagem testados.

Na altura em que a Astra estava a iniciar a sua parceria com Oxford, no final de Abril, investigadores da Universidade estavam a administrar doses a participantes dos testes no Reino Unido.

Os investigadores aperceberam-se que efeitos colaterais esperados, como fadiga, dores de cabeça ou nos braços, estavam mais brandos do que o esperado, disse ele: “Voltamos a verificar os dados e descobrimos que eles tinham haviam subestimado a dose da vacina pela metade”, explicou Pangalos.

O responsável acrescentou que a empresa decidiu continuar com a meia dose e administrar a vacina de reforço de uma dose total no momento programado.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.