Entre a Covid e a revolta. Europa à beira de um ataque de nervos

Depois de ter sido imposto o recolher obrigatório em várias regiões, o encerramento de bares e de restaurantes às 18H00, além da interrupção das actividades de ginásios, cinemas e salas de espetáculo, o governo da Itália estuda a possibilidade de anunciar na segunda-feira um confinamento das grandes cidades, de acordo com a imprensa.

 “A curva epidemiológica ainda é muito elevada”, afirmou o ministro da Saúde, Roberto Speranza.

A oposição às restrições também provocou confrontos em grandes cidades do país nos últimos dias. Na França, que retomou o confinamento – que deve durar um mês – na sexta-feira, aumenta a revolta dos proprietários de estabelecimentos comerciais não essenciais, que foram obrigados a fechar as portas. Os comerciantes denunciam a concorrência desleal das grandes lojas, autorizadas a permanecer abertas, e das plataformas online, como a Amazon.

O primeiro-ministro poderá decidir o encerramento das grandes superfícies que têm nas “prateleiras produtos que não são de primeira necessidade”, afirmou neste domingo o ministro da Economia, Bruno Le Maire.

No Reino Unido, país mais afectado da Europa, com pelo menos 46.555 mortos, o novo confinamento anunciado na Inglaterra e que deve começar na quinta-feira e prolongar-se até 2 de Dezembro pode ser prolongado, de acordo com o ministro Michael Gove, o que aumenta a angústia de vários sectores económicos.

Este novo confinamento é um “pesadelo antes do Natal”, reclamou Helen Dickinson, directora geral da federação de comerciantes britânicos.

A Grécia, que anunciou o confinamento de um mês em Atenas e em outras grandes cidades  do país a partir de terça-feira, deseja “tentar salvar as festividades do Natal”, afirmou o primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis.

Outros países também endureceram as restrições, como Portugal e a Alemanha. Na Áustria, país de 8,8 milhões de habitantes e que regista mais de 5.000 casos diários, o segundo confinamento entrará em vigor na terça-feira e deve prosseguir até o fim de Novembro.

O ministro da Saúde da Bélgica, Frank Vandenbroucke, fez um apelo para que a população não fizesse compras este domingo, véspera do dia em que entram em vigor medidas mais restritivas por um período de seis semanas.

As medidas rígidas parecem ter dado resultado na Austrália,  país que não registou nenhum novo caso nas últimas 24 horas, o primeiro dia sem infecções desde Junho, quando o estado de Victoria adoptou um segundo confinamento.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.