Covid-19. Cientistas indianos desenvolvem teste rápido e barato

Uma equipa de cientistas indianos desenvolveu um teste rápido, confiável e barato para detectar o coronavírus com uma tira de papel de teste, que, em breve, estará disponível na Índia.

Chama-se “Feluda” – nome de um popular personagem dos policiais criado pelo grande cineasta Satyajit Ray (1921-1992) – e acrónimo científico de FNCAS9 Editor-Limited Uniform Detection Assay.

Este teste utiliza a técnica de “tesouras moleculares” CRISPR-Cas9, desenvolvida pela geneticista francesa Emmanuelle Charpentier e pela americana Jennifer Doudna, recém-agraciadas com o Prémio Nobel da Química.

O kit, que funciona com amostras colhidas por “swabs” nasais, parece um teste de gravidez caseiro com a tira onde aparecem duas linhas coloridas se o resultado for positivo. O resultado é obtido cerca de uma hora depois: “Este teste não requer nenhum equipamento sofisticado, ou mão de obra altamente qualificada”, explica o seu co-inventor Souvik Maiti, do CSIR-Institute of Genomics and Integrative Biology (IGIB). “Muitos locais remotos na Índia não têm acesso a laboratórios sofisticados”, explica o investigador.

Com mais de 7,5 milhões de casos, a Índia é o segundo país do mundo com mais infecções pelo novo coronavírus, atrás dos Estados Unidos da América. Os cientistas esperam que este teste ajude a detectar o vírus nas regiões mais pobres do país, com uma população de 1,3 milhões de habitantes.

A Índia usa, actualmente, testes virológicos de RT-PCR, os testes de referência que precisam de material da laboratório avançado, assim como testes de antígenos. Estes últimos são muito mais rápidos, porque não precisam de análises laboratoriais, mas são menos precisos. O primeiro tipo detecta o material genético do coronavírus, enquanto o segundo detecta as proteínas do vírus.

Assim como outros em desenvolvimento noutros países, o teste Feluda é considerado um grande avanço na Índia por ter a confiabilidade do teste de PCR com a acessibilidade dos testes de antígenos.

Já recebeu sinal verde das autoridades reguladoras indianas. O ministro da Saúde, Harsh Vardhan, garantiu na semana passada que poderá ser implantado no país pelo conglomerado Tata, um dos maiores grupos económicos do subcontinente, nas próximas semanas.

O preço do novo teste ainda não foi divulgado, mas, de acordo com a imprensa local, pode custar cerca de 500 rúpias (à volta de 6,8 dólares norte-americanos). Um teste de PCR pode custar até 2.400 rúpias num laboratório privado em Nova Deli.

No momento, o protótipo requer o uso de um termociclador, ou uma máquina de PCR, mas os cientistas estão a trabalhar numa versão que tem por base a saliva, ou em “swabs” que possam ser usados em casa, disse o co-inventor e cientista do IGIB Debojyoti Chakraborty.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.