Índia. Mais uma mulher vítima de violação colectiva

Uma segunda rapariga indiana, pertencente à minoria dalit morreu, após ser vítima de uma violação colectiva – anunciou a polícia na quinta-feira. Recentemente, a morte de uma outra jovem dalit em condições semelhantes incendiou o país.

Este segundo caso é o de uma mulher de 22 anos que foi violada por dois homens na terça-feira (29). A rapariga morreu a caminho do hospital, no estado do Uttar Pradesh, anunciou a polícia deste estado indiano.

A comunidade Dalit – anteriormente chamada de “intocável” –ocupa os níveis mais baixos da  escala social do rígido sistema de castas indiano.

Os dois suspeitos foram detidos e acusados de violação em grupo e homicídio, de acordo com a polícia, que não avançou com mais detalhes e apenas afirmou que os factos estão a ser investigados. Os detidos podem ser julgados ao abrigo de um procedimento acelerado por um tribunal especial, acrescentou a polícia.

“Um motorista de riquexó [veículo de duas rodas] trouxe-a para casa. Ela foi atirada para a frente da nossa casa. A minha filha mal se conseguia levantar ou falar”, desabafou a mãe da vítima, de acordo com a estação de televisão NDTV.

A agressão ocorreu no distrito de Balrampur, em Uttar Pradesh, a cerca de 500 quilómetros do local onde outra dalit, de 19 anos, foi violada em meados de Setembro. De acordo com a sua família, ela foi atacada por quatro homens de uma casta “superior”.

Paralisada por causa dos ferimentos, a rapariga foi transferida para um hospital de Nova Deli, a 200 quilómetros da sua cidade natal. Não resistiu e faleceu na terça-feira. Ontem, a polícia indiana foi acusada de a cremar à força, contra a vontade da família.

A morte da rapariga gerou manifestações em Deli e em várias cidades do estado de Uttar Pradesh. Os novos casos de violação colectiva ocorrem após a execução de quatro homens, em 20 de Março passado, pela violação e o assassinato de uma estudante num autocarro, em Deli, em Dezembro de 2012. O crime  tornou-se o símbolo do drama da violência sexual contra as mulheres na Índia.

Os cerca de 200 milhões de dalits indianos sofrem, “tradicionalmente”, discriminação e agressões, que aumentaram durante a pandemia da covid-19, de acordo com os seus defensores.

Em 2019, 87 violações foram denunciadas por dia, em média, na Índia. Os crimes contra as mulheres neste país de 1300 milhões de habitantes aumentaram mais de 7 por cento no espaço de um ano, de acordo com dados oficiais divulgados na terça-feira. Os números podem ser bem maiores, já que muitos casos não são relatados, alertam os especialistas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.