Coco Chanel para além do tweed, do negro e dos homens

Coco Chanel rima com tweed, com vestidos pretos e com uma intensa e polémica vida privada. Mas por trás das etiquetas conhecidas esconde-se uma colecção de criações visionárias que mudaram a forma de vestir das mulheres, de acordo com uma retrospectiva inédita em Paris.

“Redescobrimos Coco Chanel. Foi uma surpresa perceber até que ponto não a conhecíamos”, admite à AFP a espanhola Miren Arzalluz, directora do Palácio Galliera, museu que exibirá, a partir de quinta-feira, a exposição “Gabrielle Chanel, manifesto da moda”.

Embora existam mais de uma centena de biografias da estilista mais influente do século XX, estas geralmente dissertam sobre os homens com quem compartilhou a sua vida, as suspeitas de uma colaboração com os nazis ou sobre a infância miserável, depois de ter sido abandonada pelo seu pai. Mostrar apenas o seu trabalho na primeira retrospectiva do género promovida em Paris foi “uma decisão radical”, afirma Arzalluz.

No total, o museu exibe cerca de 170 peças de roupa e 140 acessórios criados por Gabrielle Chanel (1883-1971), muitos no seu “bastião” da rua Cambon, com a sua lendária escadaria decorada com espelhos. A maioria dos designs também pode, no entanto, ser encontrada na vitrine de uma loja de alta costura da actualidade, o que ilustra como os princípios que ela impôs à moda – liberdade, elegância, naturalidade – continuam a guiar as mulheres na hora de se vestir.

“Não precisava dos homens”

Alheia aos ditados da moda, a estilista atendia apenas ao seu próprio espírito. “Existe essa ideia de que tudo o descobriu foi graças aos homens que conheceu. Por exemplo, falam do grande duque Dimitri (Pavlovich Románov). Graças a ele, teria desenhado os casacos de inspiração russa, mas ela desenhou essas peças antes mesmo de o conhecer. A verdade é que não precisava dos homens para criar”, reivindica Arzalluz.

As diferentes salas da exposição revelam como o preto e o marfim se mantiveram praticamente intocáveis ao longo da sua carreira. Com o primeiro, estabeleceu a sua visão minimalista da moda, enaltecendo a pureza das linhas e do tecido: “O que faz o vestido é o tecido, não os adornos”, afirmava Chanel, pioneira no uso de alguns materiais como o lurex, uma leve fibra metálica que não enruga.

A criadora francesa também se inspirou no vestuário masculino, importando o dandismo como um novo código da modernidade feminina, e ousou com casacos de pluma para vestir as peles, assim como com a combinação da alta joalharia com a bijuteria.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.