Suiços preparam-se para rejeitar iniciativa que limita a imigração

A maioria dos cidadãos suíços pretende rejeitar a iniciativa de limitar a imigração para o país, revela a segunda sondagem realizada pela Tamedia sobre o referendo popular marcado para o próximo domingo. Os suíços decidem, a 27 de Setembro, se querem pôr fim à livre circulação de pessoas entre a Suíça e a União Europeia, num referendo promovido por uma iniciativa popular apoiada pela União Democrática do Centro (UDC), um partido conservador.

De acordo com a sondagem realizada esta semana pelo grupo Tamedia, os suíços preparam-se para rejeitar a iniciativa de limitação à imigração com 65 por cento de votos contra dos inquiridos e 33 por cento dos votos a favor. O cantão de Ticino é aquele em que a ideia de limitar a imigração tem mais partidários, com 45 por cento dos eleitores a revelarem-se favoráveis ao encerramento de fronteiras.

A iniciativa popular que pretende pôr fim à livre circulação de pessoas com a União Europeia (UE), à qual o Governo suíço manifestou oposição, deveria ter sido votada em Maio, mas o referendo teve de ser anulado devido à pandemia de Covid-19.

A proposta, intitulada “Iniciativa para uma Imigração Moderada”, quer que o Governo suíço suspenda um acordo bilateral existente com a União Europeia sobre a livre circulação de pessoas e assuma o controlo total da política de imigração do país.

O comité que apoia esta iniciativa estima que, desde a instauração do acordo bilateral entre a Suíça e a União Europeia, em 2002, o país assiste a uma imigração em massa, o que, segundo os partidários, tem contribuído para o aumento do desemprego e uma ameaça da liberdade e prosperidade do país.

Sob o actual acordo de livre circulação, ambos os lados permitem livre acesso aos mercados de trabalho de cada um e o direito de escolher o local de residência.

Se os suíços votarem a favor da iniciativa de restrição à imigração, os acordos sobre o comércio, a agricultura, o transporte e a investigação ficarão igualmente inválidos, já que estes fazem parte de um pacote de sete acordos bilaterais em vigor desde 2002.

“Em 2009, quase 50 por cento de todos os produtos exportados da Suíça foram para a União Europeia e mais de 60 por cento dos importados vieram da UE”, declarou o Governo num vídeo explicativo publicado na página oficial da Confederação Helvética, em que aconselha os cidadãos a rejeitar a iniciativa.

“A aceitação desta iniciativa traria consequências nefastas para a economia e a prosperidade do país”, justificou o Executivo, salientando que as empresas precisam de “perspectivas futuras” e “relações comerciais estáveis” com a UE, em particular nesta fase em que todos fomos afectados pela crise do novo coronavírus.

Por outro lado, os partidários da iniciativa popular, apoiada pela UDC, defendem que está na altura de tomar uma decisão com vista a travar a imigração.

Os trabalhadores suíços estão a ser substituídos por uma mão de obra estrangeira mais barata, contribuindo assim para o aumento da pressão sobre os salários e os trabalhadores suíços, alegam.

No domingo, além da iniciativa de limitação à imigração, os suíços serão levados a votar sobre quatro outros temas.

A referendo vão também estar a modificação da lei sobre a caça, a introdução da licença de paternidade paga, o aumento das deduções infantis nos Impostos Federais Directos e a compra de novos aviões de combate. 

Tendo em conta a última sondagem da Tamedia, os cidadãos suíços pretendem rejeitar a chamada “iniciativa de imigração moderada” e aceitar a introdução da licença de paternidade e a compra de novos aviões de caça. Quanto aos dois outros temas, as intenções de votos permanecem bastante divididas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.