Tailândia. Ruas de Banguecoque palco do maior protesto dos últimos anos

Cerca de 20 mil pessoas saíram no sábado à rua na capital da Tailândia, no âmbito de um protesto contra o primeiro-ministro Prayuth Chan-ocha, com muitos dos manifestantes a exigir também uma reforma da monarquia.

“Abaixo o feudalismo, viva o povo”, foi uma das palavras de ordem que se fizeram ouvir na maior manifestação que tomou as ruas de Banguecoque desde que Prayuth assumiu o poder, num golpe de estado em 2014.

Os protestos têm vindo a ganhar proeminência em território tailandês desde meados de Julho. Os manifestantes exigem a remoção do governo, uma nova constituição e a organização de eleições. Os organizadores dos protestos acabaram com um tabu antigo, ao criticar directamente a monarquia e o rei Maha Vajiralongkorn.

Os protestos transferiram-se do campus da Universidade Thammasat, um foco tradicional de oposição ao regime militar e monárquico, para Sanam Luang – traduzido como Campo Real – no exterior do Grande Palácio.

Os organizadores disseram que a manifestação de sábado reuniu mais de 50 mil pessoas, mas a polícia fala em apenas 18 mil, número que é, ainda assim, suficiente para transformar o protesto no maior dos últimos anos.

O protesto ocorreu no aniversário do golpe de Estado contra o então primeiro-ministro populista Thaksin Shinawatra em 2006. Entre os manifestantes estavam muitos de seus seguidores, os chamados camisas vermelhas, veteranos dos confrontos que ocorreram há mais de uma década com os chamados “camisas amarelas, forças pró-governo.

Os militares, que se auto-proclamam defensores da monarquia e da estabilidade nacional, conduziram vários acções sangrentas de repressão  contra os manifestantes desde o fim da monarquia absoluta em 1932, bem como 13 golpes bem-sucedidos.

A última vez que uma multidão tão grande se reuniu em Sanam Luang estava de luto pelo falecido rei Bhumibol Adulyadej, monarca amplamente venerado no país de 70 milhões de habitantes.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.