Veneza testou barreira anti-inundações

Veneza testou na sexta-feira barreiras móveis para conter inundações, numa demonstração pública, meses depois de o aumento das marés ter inundado canais, praças e alguns dos palácios e edifícios históricos da cidade.

O projeto Mose  – elaborado em 1984, mas ainda incompleto uma década após a data prevista para entrar em operações  – esteve no âmago de escândalos de corrupção e foi assombrado por derrapagens de vulto.

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, assistiu ao teste e iniciou o sistema computadorizado que ergueu simultaneamente todos os 78 portões gigantes que constituem a comporta.

“Estamos aqui para um teste e não para um desfile”, disse Conte, enquanto multidões que protestavam contra os navios de cruzeiro de onde costumam desembarcar milhares de turistas diariamente eram mantidas a uma distância segura. A crise desencadeada pelo novo coronavírus paralisou temporariamente o turismo de massa.

Conte reconheceu a corrupção “vergonhosa” que afectou o projeto, mas disse que agora é hora de todos, inclusive os manifestantes, olharem para o futuro.

“Todos devemos esperar que esta obra gigantesca funcione”, afirmou ele.

A barreira anti-inundações, que custou milhares de milhões de euros, só deve estar totalmente funcional no próximo ano.

As piores inundações em mais de meio século deixaram a histórica Praça de São Marcos debaixo de mais de um metro de água em Novembro de 2019.

Uma vez operacional, o sistema Mose foi projectado para proteger Veneza de marés de até 3 metros de altura, muito além do recorde atual, mas alguns especialistas temem que a barreira fique sobrecarregada pela subida do nível do mar prevista pelos recentes modelos de mudança climática.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.