Sri Lanka. Recolher obrigatório imposto em Negombo

Uma cidade dos arredores de Colombo, capital do Sri Lanka, foi este domingo colocado sob recolher obrigatório pela polícia na sequência de confrontos entre muçulmanos e cristãos. As escaramuças ocorreram duas semanas depois da ilha ter sido alvo de uma série de atentados que mataram 257 pessoas.

O recolher obrigatório foi imposto para prevenir a escalada da violência nas ruas de Negombo, cidade situada a norte de Colombo, disse um porta-voz da polícia à Agência France Press. Durante os ataques suicidas ocorridos no domingo de Páscoa, uma centena de pessoas morreram no ataque à Igreja de São Sebastião.

“Dois motociclos e um riquexó ficaram danificados durante os distúrbios”, explicou. “Declaramos o toque de recolher para acabar com a violência”, especificou o porta-voz das forças de segurança cingalesas. Não há informações imediatas sobre possíveis vítimas.

O principal aeroporto internacional do país está situado nesta área, mas a polícia disse que o tráfego aéreo não foi perturbado pela situação.

De acordo com as autoridades do Sri Lanka, está em curso uma investigação sobre os confrontos, o primeiro entre muçulmanos e cristãos desde os ataques do domingo de Páscoa que tiveram como alvo três igrejas e três hotéis de luxo.

Após os ataques de 21 de abril, reivindicados por um grupo extremista local afiliado ao Estado Islâmico, as autoridades declararam o estado de emergência e ampliaram os poderes da polícia e do exército para facilitar a detenção de suspeitos. Uma centena e meia de pessoas foram presas até agora.

O Sri Lanka expulsou ainda 600 estrangeiros, incluindo 200 clérigos islâmicos.

O ministro do Interior de Colombo, Vajira Abeywardena, explicou que esses clérigos permaneceram ilegalmente no país e que, nas operações das forças de segurança após os ataques, as autoridades aperceberam-se que os vistos tinham expirado: “Considerando a situação actual no país, operamos uma revisão do nosso sistema de vistos e tomamos a decisão de reforçar as restrições dos vistos emitidos para professores religiosos”, explicou Abeywardena. “Entre os expulsos, havia cerca de 200 pregadores islâmicos”, acrescentou o responsável.

O cérebro dos ataques que deixaram 257 mortos e cerca de meio milhar de feridos a 21 de Abril era um clérigo muçulmano do Sri Lanka que viajou para a Índia, onde estabeleceu contato com os extremistas.

O ministro não informou a nacionalidade dos expulsos, mas a polícia explicou que muitos dos que receberam ordem de expulsão eram do Bangladesh, da Índia, das Maldivas e do Paquistão.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.