Sereno quer colocar Senegal e Costa do Marfim no top-20 das exportações portuguesas

O antigo Cônsul Geral de Portugal em Macau e Hong Kong esteve hoje reunido em Lisboa com empresários portugueses com negócios nos países sob a sua chancelaria. Vítor Sereno assumiu como missão um objectivo ambicioso: colocar o Senegal e a Costa do Marfim no top-20 das exportações lusas.

O novo embaixador português no Senegal e na Costa do Marfim, Vítor Sereno, defendeu esta quinta-feira que Portugal deve aprofundar a relação comercial com estes dois países para os colocar entre os seus vinte maiores parceiros comerciais.

“Não me interessa muito saber que estão entre os 50 maiores parceiros. Eu quero que estejam, no final da minha comissão, entre os 20 maiores parceiros comerciais de Portugal, e isso, acredito, não é difícil”, disse Vitor Sereno, durante uma reunião na sede da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) com empresários portugueses com presença naqueles países.

Na intervenção de apresentação aos empresários, o até há pouco tempo Cônsul Geral de Portugal em Macau e Hong Kong lembrou que tem a seu cargo a representação de nove países em África e assumiu que vai “fazer ‘lobbying’ pelas empresas portuguesas”, mas defendeu que isso não é possível “sem recursos materiais e de pessoas”.

Neste sentido, o diplomata referiu que a chancelaria na capital do Senegal será reforçada para garantir que, por exemplo, os contratos das empresas portuguesas ganhos nesse país possam ser assinados na própria embaixada.

O Senegal, disse, “tem um potencial de crescimento extraordinário”, nomeadamente através do plano nacional de desenvolvimento que, só para o sector do turismo, prevê investimento de cerca de 5 mil milhões de dólares – 4,34 mil milhões de euros – na próxima década, que as empresas portuguesas devem aproveitar, defendeu o antecessor de Paulo Cunha Alves à frente do Consulado Geral de Portugal em Macau.

“Há um interesse claro das autoridades senegalesas em receber investimento português e nós damos cartas, de cabeça erguida, em qualquer sector, principalmente naqueles que eles precisam, como as tecnologias de informação e comunicação, construções e obras públicas e turismo, entre outros”, acrescentou Vítor Sereno.

De acordo com os dados apresentados pela administração da AICEP no início da reunião, estes dois países são “boas apostas para a diversificação dos mercados” e registaram taxas de crescimento à volta dos sete por cento no ano passado.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.