Tabaco. OMS falha objectivo de reduzir consumo até 2025

O uso de tabaco caiu de forma significativa desde o ano 2000, de acordo com um relatório recentemente apresentado pela Organização Mundial de Saúde. A diminuição não é, no entanto, suficiente para garantir que os objectivos internacionais relativos à redução de consumo sejam cumpridos. A OMS ambiciona reduzir o consumo em 30 por cento até 2025.

O número de fumadores caiu nos últimos anos, particularmente entre as mulheres, mas apenas um em cada oito países deverão conseguir reduzir significativamente o consumo de tabaco até 2025.

O alerta foi dado recentemente pela Organização Mundial de Saúde. O organismo sustenta que todos os anos cerca de sete milhões de pessoas morrem prematuramente por complicações associadas ao vício do cigarro. As doenças cardiovasculares, os enfartes e os ataques cardíacos são alguns dos problemas de saúde agravados pelo tabaco, lembrou Douglas Bettcher, responsável pelo Departamento de Doenças Não Transmissíveis da Organização Mundial de Saúde:  “O uso do tabaco e a exposição ao chamado fumo em segunda mão são algumas das principais causas das doenças cardiovasculares, contribundo para aproximadamente 17 por cento de todas as mortes com origem cardiovascular registadas no planeta.  Estamos a falar de três milhões de mortes relacionadas com problemas cardiovasculares todos os anos e que são causadas pelo uso do tabaco. Ainda que muita gente tenha consciência de que fumar pode aumentar o risco de cancro, há ainda um grande desconhecimento em relação aos riscos cardiovasculares associados à utilização do tabaco”, explicou o especialista.

A Organização Mundial de Saúde estima que entre as sete milhões  de vítimas anuais provocadas pelo tabaco, quase 900 mil tenham perdido a vida devido ao chamado fumo em segunda mão.

A organização traçou um ambicioso plano para reduzir a dependência do tabaco em 30 por cento até 2025, mas apenas o Continente Americano parece estar em condições de alcançar tais objectivos.

Na Europa Ocidental, admite a OMS, atingiu-se um impasse, em África o número de fumadores quase não recuou e no Médio Oriente terá mesmo aumentado, de acordo com as estimativas da Organização: “Como o relatório explica, apenas um em cada oito países está em posição para atingir voluntariamente  os objectivos globais de reduzir os objectivos do tabaco. Um dos maiores  problemas que afectam os países de baixos e médios rendimentos é, certamente, o facto de que os países enfrentam resistência da indústria do tabaco que deseja substitutir os clientes que morrem através de estratégias promocionais, mas também através da prática de preços baixos”, complementou Douglas Bettcher.

Para além dos três milhões de mortes provocadas por complicações de natureza cardiovascular,  o tabaco mata ainda mais quatro milhões de pessoas por complicações ligadas ao cancro e a outros problemas de saúde. Em países como a Índia e a República Popular da China os efeitos colaterais do tabaco são ainda pouco conhecidos. A Organização Mundial de Saúde estima que existam 307 milhões de fumadores na China e 106 milhões na Índia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.