Burla: Quatro suspeitos em prisão preventiva

Quatro dos seis residentes suspeitos de tentarem vender um apartamento que não lhes pertencia vão ficar em prisão preventiva, determinou um juiz de instrução criminal sob recomendação do Ministério Público. Os dois restantes arguidos estão sujeitos a termo de identidade e residência. Os suspeitos respondem pelos crimes de burla agravada e de falsificação de documentos.

O Ministério Público pediu a medida de coacção mais gravosa para quatro dos seis residentes que tentaram vender um apartamento que não lhes pertencia. Os arguidos –  quatro homens e um mulher – são suspeitos dos crimes de burla agravada e de falsificação de documentos, depois de se terem apropriado ilegalmente do documento comprovativo de escritura pública de compra e venda relativa a uma fracção habitacional com um valor de mercado superior a doze milhões de dólares de Hong Kong.

De acordo com a informação avançada no sábado pela Polícia Judiciária, um dos suspeitos fez-se passar pelo proprietário do imóvel em questão e recorreu ao serviços de um escritório de advogados para emitir uma procuração que autorizava outro dos suspeitos a transaccionar a fracção em questão.

Os alegados burlões encontraram um potencial comprador, a quem se disponibilizaram para vender o apartamento a um preço mais baixo do que o valor de mercado do apartamento, por uma quantia que rondava os 12 milhões de dólares de Hong Kong.

Hoje, num comunicado enviado às redacções, o Ministério Público explica que instaurou uma investigação para averiguar se os arguidos praticaram o crime de burla e o crime de falsificação de documento.

Face à gravidade do caso, o juiz de instrução criminal, sob a promoção do delegado do procurador, impôs a prisão preventiva a quatro dos seis arguidos. Os dois restantes ficam sujeitos a termo de identidade e residência e, para além de terem de se apresentar periodicamente perante as autoridades do território, tiveram também de pagar uma caução num  valor não especificado.

Na nota de imprensa, o Ministério Público lembra que o crime de burla agravada é punido com pena de prisão de entre dois a dez anos. Já o crime de falsificação de documento é punido com pena de prisão que pode oscilar entre um e cinco anos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.