“A ciência não é democrática, mas não há democracia sem ciência”

Embaixador de Portugal na UNESCO, Sampaio da Nóvoa assume a defesa da ciência e do pensamento científico e defende que a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura deve assumir um papel de destaque na defesa da via científica. O antigo reitor da Universidade de Lisboa diz que a negação da ciência pode ter consequências drásticas para o futuro dos sistemas democráticos.

Depois de ter dirigido durante sete anos a Universidade de Lisboa e de ter sido candidato, em 2016,  ao cargo de presidente da República de Portugal, António Sampaio da Nóvoa aceitou o convite que lhe foi dirigido para representar Portugal junto da UNESCO. O antigo reitor da Universidade de Lisboa assumiu o desafio com o propósito de reforçar, no seio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, a defesa do pensamento científico e do reforço do investimento na Educação: “Nós não podemos pensar hoje sem ser a partir de uma matriz científica. Mas essa ciência não pode ficar fechada em meia dúzia de instituições, em meia dúzia de laboratórios, em meia dúzia de Universidades. Esta cultura científica tem que ser colocada ao serviço da sociedade e por isso meu debate e o meu apelo à cultura científica e à ciência aberta”, defendeu Sampaio da Nóvoa, em declarações ao Canal Macau.

Para António Sampaio da Nóvoa, as alterações climáticas são o grande problema com que se deparam as sociedades contemporâneas. Para o académico e especialista em História e Ciências da Educação, a negação das alterações climáticas é um exemplo absurdo do quão perigoso é ignorar a ciência em detrimento de interesses políticos e económicos: “O maior de todos esses absurdos é a negação da existência das alterações climáticas, que é hoje o grande problema das sociedades contemporanêas. As alterações climáticas não é uma coisa de clima, apenas. Não. As alterações climáticas têm a ver com os recursos hídricos, com o acesso a água, tem a ver com a energia, tem a ver com as desigualdades sociais, tem a ver com a pobreza e com a miséria”, salienta o Embaixador de Portugal na UNESCO.

Apologista da primazia do pensamento científico, o Embaixador de Portugal junto da UNESCO defende que a negação da ciência coloca mesmo em causa a própria sobrevivência dos sistemas democráticos: “A ciência não é democráctica, mas não há democracia sem ciência. No dia em que negarmos os fundamentos da ciência, no dia em que negarmos esse processo que acabou de referir, nós estaremos a por em causa a possibilidade de uma vida em democracia”, remata o diplomata.

António Sampaio da Nóvoa defende que a UNESCO deve chamar a si um papel de destaque na promoção de estratégias de defesa da ciência e do pensamento científico. Na intervenção que proferiu esta manhã no Instituto Politécnico de Macau, o antigo reitor da Universidade de Lisboa defendeu ainda um maior envolvimento entre as universidades e o meio em que estão inseridas.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.