Obra de José Maneiras a pente fino

Entre o final da tarde de sexta-feira e o dia 3 de Abril, o pavilhão do Jardim Lou Lim Ieoc, no Tap Seac, acolhe uma exposição evocativa da obra e do legado do arquitecto José Maneiras. A mostra é uma iniciativa da Docomo-Documentação e Conservação do Movimento Moderno.

A obra do arquitecto macaense José Maneiras, focada na habitação e no planeamento urbanístico do território, vai estar em foco a partir de amanhã, numa exposição que permanece patente ao público entre esta sexta-feira e o dia 3 de Abril. A mostra é uma iniciativa da Docomo-Documentação e Conservação do Movimento Moderno.

“O trabalho do arquitecto José Maneiras é muito importante em Macau por ser um dos primeiros momentos em que alguém deste ambiente cultural, e que percebe perfeitamente este ambiente, desenvolve uma intervenção focada na habitação e de planeamento urbanístico”, afirmou Rui Leão, presidente do Docomomo em Macau, em Março, aquando da apresentação da exposição. “Nem todos [os trabalhos] são visualmente inovadores, mas todos têm uma ideia sobre habitação e qualidade de vida, e de compreensão da cultura urbana de Macau”, acrescentou o responsável pela Docomomo no território.

Para Rui Leão, José Maneiras foi capaz de evidenciar “a criatividade de saber o que pode ser feito, quando não se pode fazer tudo o que se quer”.

Nascido em 1935 em Macau, José Maneiras passou nove anos em Portugal, onde chegou em 1953 e se licenciou em arquitectura na Escola de Belas Artes do Porto, em 1962.

Nesse mesmo ano, José Maneiras regressou ao território, então sob administração portuguesa, onde integrou uma equipa coordenada por Manuel Vicente, que desenvolve planos urbanísticos para a cidade. A partir de 1967, o arquitecto abriu um atelier próprio. Desta fase é difícil encontrar exemplos, já que muitos dos edifícios foram demolidos ou remodelados, esclareceu Rui Leão.

Nos anos de 1960, o arquitecto desenha e concretiza vários edifícios residenciais, dos quais se destacam os conjuntos na Rua da Praia Grande (Conjunto São Francisco, 1964), na Estrada do Visconde de São Januário (duas residências, 1965), Belle Court na Penha (casa e bloco de apartamentos, 1968) ou o programa residencial para invisuais, a pedido da Santa Casa da Misericórdia (1970), na Rua Sete do Bairro da Areia Preta.

José Maneiras é membro honorário da Ordem dos Arquitectos portuguesa desde 2006, e um dos fundadores da Associação dos Arquitectos de Macau, em 1987. Entre 1989 e 1993, o arquitecto foi presidente do então Leal Senado.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.