Galgos. Maior criador australiano suspeito de exportação ilegal

Greyhound racing,two dogs running close to the rails

Em causa está o envio de nove animais para a República Popular da China sem que o passaporte dos galgos tenha sido solicitado. Paul Wheeler recusou-se a comentar as acusações e vai ser ouvido no final do mês pela entidade reguladora das corridas de cães no estado de Nova Gales do Sul.

O maior criador de galgos da Austrália foi na sexta-feira passada indiciado criminalmente no âmbito de uma investigação judicial que está a investigar o funcionamento de uma rede de exportação ilegal de animais para o território e para a República Popular da China.
Paul Wheeler é um dos quatro suspeitos indiciados pela entidade reguladora das corridas de galgos do Estado de Nova Gales do Sul. A Greyhound Racing New South Wales acusa Wheeler e os três restantes envolvidos de terem exportado nove galgos para a República Popular da China sem que os animais se fizessem acompanhar por documentação obrigatória, como sejam um passaporte ou uma declaração que certifique o pedrigree dos galgos.
Num comunicado tornado público na sexta-feira, a Greyhound Racing New South Wales acusou Paul Wheeler, Danny Li, Wei Shan e Yiwen Xi de conduta detrimental e de prejudicarem os interesses da indústria das corridas de galgos, um sector que tem estado sob escrutínio público um pouco por todo o mundo.
Confrontados com uma investigação por parte das autoridades de Nova Gales do Sul, os quatro suspeitos não conseguiram providenciar a documentação relativa à exportação dos animais. Os responsáveis pelo processo não conseguem, no entanto, determinar a data exacta em que os animais terão sido enviados para a República Popilar da China.
Abordado pelo canal de televisão ABC no complexo onde cria os animais, a 110 quilómetros de Camberra, Paul Wheeler recusou-se a comentar as acusações contra ele dirigidas.

Austrália deixou de emitir vistos para Macau

Os responsáveis pela Greyhound Racing News South Wales adiantaram na sexta-feira que os quatro homens vão ter a oportunidade de responder às acusações numa audiência que se deve realizar até ao final do presente mês.
Para que os animais sejam exportados, é necessário que a maior entidade reguladora da Austrália, a Greyhounds Australasia, emita um passaporte. Sem o documento, os galgos não estão autorizados a deixar território australiano. A organização deixou de emitir passaportes para Macau em 2013 por considerar que as condições em que os animais vivem e competem no território não se coadunam com os padrões de salubridades e segurança promovidos pelo organismo na Austrália. Pela mesma razão, a Greyhounds Australasia deixou também de emitir o passaporte para animais com destino à China.
O processo que culminou na acusação apresentada na sexta-feira contra Paul Wheeler teve início em 2016, quando um canal de televisão australiano recolheu indícios de que havia galgos australianos a ser exportados tanto para Macau, como para o Continente.
A entidade reguladora das corridas de galgos no estado de Nova Gales do Sul já retirou a licença de criação a vários criadores, tendo apresentado queixa na justiça em Outubro último contra três pessoas que são acausadas de terem exportado 96 animais para o Canídromo e 70 outros galgos para um parque de animais selvagens da capital económica da China, Xangai.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.