Avistamento de leopardo-asiático deixa Hong Kong à beira de um ataque de nervos

Um casal confundiu esta terça-feira um leopardo-asiático com um tigre, numa reserva natural da vizinha Região Administrativa Especial. O avistamento despoletou uma intensa operação de busca na região de Man On Shan ou não estivesse viva ainda na memória colectiva de Hong Kong a devastação causada pelo “tigre de Sheung Shui”.

O alegado avistamento de um tigre numa reserva natural da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong despoletou esta terça-feira uma intensa operação de busca com o propósito de localizar o animal. O casal que esteve na origem dos procedimento acabou por posteriormente identificar o animal avistado como sendo um leopardo-asiático, um pequeno felino também conhecido pela designação de gato-leopardo.
O homem, de 32 anos, e a mulher, de 39, estavam a escalar a colina de Tiu Shau Ngam, na reserva natural de Man On Shan, quando avistaram o animal num barranco. Aterrorizado, o homem acabou por efectuar uma chamada por volta das nove da manhã para o 999, a linha de emergência da antiga colónia britânica, relatando o que garantia ser o avistamente de um tigre: “O indivíduo do sexo masculino disse à polícia que o animal se expôs por alguns momentos e depois fugiu”, disse um porta-voz das forças de segurança de Hong Kong ao jornal South China Morning Post. “Eles estavam bastante assustados”, complementou o representante da polícia.
O casal foi encontrado por uma equipa de socorristas cerca de 45 minutos depois e escoltado até ao início do trilho que se tinha proposto percorrer. Uma dezena e meia de polícias e de agentes do Corpo de Bombeiros de Shatin organizaram uma batida com o propósito de encontrar o animal, ainda que sem sucesso.
“O casal estava bem e não apresentava quaisquer ferimentos”, disse o porta-voz das forças de segurança da antiga colónia britânica. “Ambos sustentaram que o animal tinha pêlo amarelo e media três pés por dois pés. Eles estavam preocupados e foi por isso que chamaram a polícia.
O casal foi conduzido à esquadra de polícia de Ma On Shan, mas depois de terem alegado que não se sentiam bem, foram conduzidos ao Hospital Príncipe de Gales, onde foram submetidos a exames médicos.

O tigre de Sheung Shui foi abatido em Março de 1915, depois de ter morto três pessoas.

A comandante dos Bombeiros da região de Sha Tin disse ao South China Morning Post que o casal foi depois confrontado com fotografias de vários felinos, tendo identificado o animal que avistaram como sendo um leopardo-asiático. Os membros da equipa de socorro que se deslocaram à zona de Tiu Shau Ngam não avistaram qualquer tipo de felino, o mesmo tendo sucedido com quatro outros entusiastas das caminhadas que se encontravam nas proximidades, revelou Mak.

A meio da tarde, uma porta-voz do Departamento de Agriculturas, Pescas e Conservação da Natureza anunciou que o Governo tinha autorizado a reabertura do trilho, depois de não terem sido encontrados indícios da presença de um tigre na colina.

Um professor da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Hong Kong, Billy Hau Chi-hang, explicou ao South China Morning Post que o leopardo-asiático que o casal avistou se trata, possivelmente de um examplar adulto. O felino tem um tamanho similar ao de um gato doméstico: “São bastante comuns em Hong Kong e podem ser encontrados em florestas. Não atacam pessoas. São animais muito tímidos, que procuram evitar humanos”, sublinhou o académico.
Hau defendeu ainda que é “impossível” que o animal avistado se tratasse de um tiger, dado que a única espécie autóctone da região, o tigre do sul da China, é há muito tido por extinto.

O tigre de Sheung Shui

A cabeça do tigre de Sheung Shui pode ser vista no Museu da Polícia, no Pico.

Os avistamentos do tigre do Sul da China eram, até ao início da década de 50 do século passado, bastante frequentes nas regiões de Guangdong, Guangxi e Yunnan. Especialistas estimam que na altura existissem em estado selvagem cerca de quatro mil exemplares. O Fundo Mundial para a Natureza considera, no entanto, que a espécie esta “funcionalmente extinta”, dado que o animal já não é avistado há mais de vinte e cinco anos.
Um porta-voz da polícia de Hong Kong revelou que as càmaras de infra-vermelhos espalhadas pelos parques e pelas reservas naturais da cidade nunca captaram qualquer tigre desde que foram instaladas, em 2002.
O alegado avistamento de um tigre em Sha Lo Tung, em 2013, na Reserva Natural de Pat Sin Leng, também não deu em nada.
Não obstante, há um século, a 9 de Março de 1915, um tigre do Sul da China atacou e matou três pessoas. Os residentes de Lung Yeuk Tau fizeram uma denúncia na esquadra policial de Sheung Shui, depois do animal ter morto uma criança. Dois agentes da polícia, identificados como expatriados pelo South China Morning Post, deslocaram-se à aldeia, tendo avistado o animal nas imediações. O tigre atacou um dos agentes, que não resistiu aos ferimentos e acabou por falecer.
As autoridades coloniais acabaram por enviar para o local um contingente de vários agentes fortemente armados, que acabaram por abater o tigre, não sem antes ter morto um segundo polícia. A cabeça embalsamada do “Tigre de Sheung Shui” pode ser vista no Museu da Polícia de Hong Kong, situada na Coombe Road, no Pico.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.