Governa reitera respeito pela liberdade de imprensa

Fotografia: Macau Photo Agency/Unsplash

O Executivo liderado por Ho Iat Seng voltou na quinta-feira a garantir que “a liberdade de imprensa tem sido sempre respeitada e garantida” em Macau. A garantia foi avançada no mesmo dia em que a Associação Novo Macau convocou uma manifestação frente à Teledifusão de Macau, na Rua Francisco Xavier Pereira.

A empresa está desde meados de Março envolvida em polémica depois de ter exigido aos jornalistas portugueses a defesa dos interesses da República Popular da China. Numa breve nota de imprensa publicada no portal do Governo ao início da noite de quinta-feira, o Governo do território evoca as “recentes reportagens sobre a Teledifusão de Macau”, afirmando que a empresa, “que presta um serviço público de radiodifusão e teledifusão”, “opera de forma independente e em conformidade com o seu próprio estatuto”.

No comunicado, o Governo assegura também “que todos os órgãos de comunicação social de Macau têm autonomia e possuem linhas editoriais independentes” e garante que “continua a respeitar e a garantir a liberdade de imprensa consagrada na Lei Básica” do território.

O comunicado surge horas depois da Associação Novo Macau, representada pelo deputado Sulu Sou, ter convocado para domingo uma manifestação de apoio à liberdade de imprensa. A iniciativa decorre frente à sede da Teledifusão de Macau (TDM), na rua Francisco Xavier Pereira.

A manifestação foi convocada em reacção às directrizes comunicadas, a 10 de Março, aos jornalistas da TDM, proibindo-os de divulgar informações contrárias às políticas da república Popular da China e instando-os a aderir ao “princípio do patriotismo” e do “amor a Macau”.

O caso levou a pelo menos cinco demissões no serviço de rádio em português da emissora pública e a uma demissão no serviço de televisão da empresa. A TDM emprega cerca de 40 jornalistas de língua portuguesa e inglesa. As orientações foram criticadas pela Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau (AIPIM), o Sindicato de Jornalistas de Portugal, os Repórteres Sem Fronteiras e a Associação de Jornalistas de Macau, organismo que agrega sobretudo trabalhadores dos meios de comunicação em lingua chinesa do território.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.