Rob Huff firma credenciais com (nova) vitória na Corrida da Guia

Rob Huff tornou-se oficialmente no primeiro piloto a obter pelo menos uma dezena de vitórias na Corrida da Guia, numa prova que acabou por ser interrompida extemporaneamente na sequência de vários acidentes aparatosos. O britânico acabou por perder o título na secretaria, depois de ser penalizado pelo toque subtil que esteve na origem do despiste de Ma Qing Hua.

Foram muitos os que questionaram se o triunfo alcançado pelo britânico na prova de classificação para a Corrida da Guia, no sábado, deve ou não engrossar a contagem oficial de vitórias do mais bem sucedido piloto a competir no traçado do território, mas se dúvidas houvesse, Huff eliminou-as este domingo. O britânico garantiu o recorde de vitórias numa prova acidentada e voltou a fazer soar os acordes do hino do Reino Unido no Circuito do território.

Huff largou da pole position, graças ao desempenho que alcançou na prova classificativa de sábado, mas a exemplo do que sucedeu na altura, Ma Qing Hua foi o mais ágil na largada, assumindo a liderança logo nos primeiros momentos da corrida.

Um pequeno toque entre os carros de Kenneth Look e Lin Qi na curva do Lisboa esteve na origem de um ligeiro engarrafamento, mas a situação acabou por se resolver sem que a corrida tivesse que se interrompida.

No início da segunda volta, Huff conseguiu eliminar a desvantagem que tinha para Ma Qing Hua e à saída da curva do Mandarim – uma das curvas mais rápidas do traçado do território – o britânico, que tenta ultrapassar Ma Qing Hua pela parte exterior da pista, acaba por tocar no Lynk & Co do piloto da República Popular da China, precipitando o caos que se apoderou da corrida.

O toque foi ligeiro, mas com os carros no limite da aderência à pista, Ma acabou por perder o controlo e precipitar-se contra a barreira de protecção. O choque deixou o carro do piloto chinês –  que no sábado tinha garantido o título de campeão na edição de 2020 do TCR China – praticamente desfeito. Apesar da gravidade do acidente, Ma Qing Hua saiu da viatura pelo seu próprio pé.

Os danos infligidos às barreiras de protecção levaram a Comissão Organizadora do Grande Prémio a desfraldar a bandeira vermelha e a suspender a corrida. A prova acabou por ser reatadas apenas quase uma hora depois, com Rob Huff a liderar a corrida à frente de Jason Zhang Zhi Qiang e de Andy Yan Cheuk Wai.

Com a prova em andamento e com Ma Qing Hua arredado de prova, Huff ganhou vantagem sobre o grupo perseguidor. Andy Yan colou-se à traseira do Lynk & Co de Zhang, num insistente assalto ao segundo lugar. Muito para trás no Circuito , Ryan Wong perdeu o controlo do seu Honda à entrada para a zona do Lisboa e embateu no muro de protecção. O carro foi retirado de pista de imediato, mas a corrida acabaria por ser suspensa pouco depois, na sequência de outro acidente –  que envolveu os Audi RS 3 LMS TCR de Yang Xi e de Wu Yifan – à saída da Curva do Mandarim.

A ocorrência, sensivelmente na mesma zona onde Ma Qing Hua se tinha despistado, obrigou à entrada em pista do ‘safety car’, antes da bandeira vermelha ser desfraldada pela segunda vez.

A sessão acabaria por não ser retomada, com Huff a ser declarado vencedor em circunstâncias pouco heroicas.

Zhang e Yan completaram o pódio, depois de cruzarem a linha da meta na segunda e na terceira posição, respectivamente. Para Yan foi um resultado particularmente impressionante, dado que o piloto de Hong Kong não competiu ao longo da temporada e –  a exemplo do que sucedeu com Huff – nunca tinha testado o SAIC MG antes da edição 67 do Grande Prémio de Macau.

Companheiro de equipe de Zhang Zhi Qiang na Teamwork Motorsport, Sunny Wong, cruzou a meta em quarto lugar, a 1,8 segundos de Yan.

O quinto foi Lo Sze Ho. O piloto de Hong Kong teve um bom desempenho durante todo o fim de semana e terminou o evento como o piloto independente com melhor classificação.

Depois de ter estado em bom plano nos dois primeiros dias do Grande Prémio, Filipe Clemente de Souza não esteve ao mesmo nível na corrida. O piloto macaense, que cruzou a meta em sexto lugar, foi ainda assim o melhor do grande contingente da Audi na competição.

O terceiro MG, de Zhang Zhen Dong, cruzou a meta na sétima posição, ao passo que Eurico de Jesus ficou um segundo atrás, no oitavo lugar.

Rodolfo Ávila fez progressos notáveis ​​para terminar em nono, tendo em conta que a prova teve apenas algumas voltas com bandeira verde. O piloto largou para a competição na 29a posição da grelha.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.