França. Padre ortodoxo baleado em Lyon

Um sacerdote ortodoxo grego ficou gravemente ferido após ter sido baleado no sábado, quando fechava a igreja pela qual é responsável. O autor dos disparos fugiu após a agressão, ocorrida sem motivação clara e  num clima de tensão, dados os recentes ataques jihadistas contra um professor nas imediações de Paris e uma basílica em Nice.

“Por enquanto, não se descarta, nem se privilegia nenhuma hipótese”, afirmou o responsável pelo Ministério Público de Lyon, Nicolas Jacquet, que informou a detenção de um suspeito que “pode corresponder à descrição dada pelas primeiras testemunhas”.

As forças de segurança não encontraram com o detido a arma utilizada no ataque, uma espingarda de canos serrados: “Continuam a ser feitas verificações sobre o seu possível envolvimento”, afirmou o promotor.

Por volta das 16h locais (12h de Brasília), tiros foram ouvidos na direcção da igreja ortodoxa grega, situada num bairro residencial de Lyon, que chamaram a atenção de vizinhos e agentes da polícia municipal: “As testemunhas  aperceberam-se de que um homem estava a fugor e encontraram perto da porta traseira da igreja um homem ferido a tiro, que acabou ser o responsável pelo centro de culto”, explicou a promotoria.

O Ministério Público de Lyon também informou ter aberto uma investigação por “homicídio” e disse que estava em contacto com a promotoria nacional antiterrorista, mas até ao momento o organismo estatal não assumiu a investigação.

Várias fontes policiais pediram “prudência sobre as motivações da agressão”.

O sacerdote “estava a fechar a sua igreja”, durante o momento do ataque. Na altura, “não havia nenhuma cerimónia” dentro do templo e “o sacerdote não usava roupa sacerdotal”, informou uma fonte próxima da investigação.

Nikolaos Kakavelakis, de 52 anos, levou dois tiros, “no fígado e à queima-roupa” e por isso foi hospitalizado em estado grave.

Gabinete de crise

O chefe da Igreja da Grécia, o arcebispo Ieronymos, denunciou este ataque como um “horror que ultrapassa a lógica humana”.

De acordo com um jornalista da AFP presente no local, a pequena igreja em estilo art déco fica num bairro residencial em Lyon, onde havia muito pouca gente nas ruas no primeiro sábado do novo ‘lockdown’ na França.

Após o ataque, o ministro do Interior, Gérald Darmanin, organizou um gabinete de crise no seu gabinete, em Paris.

O primeiro-ministro Jean Castex lembrou “a total determinação do governo de permitir a todos e a cada um praticar a sua religião com total segurança e liberdade”: “A nossa vontade é forte e a nossa determinação não decairá. É a honra da França, é a honra da República”, acrescentou Castex, durante uma visita no sábado a Saint-Etienne-du-Rouvray, no noroeste do país,  onde um padre foi degolado numa igreja em 2016 por jovens jihadistas.

O ataque deste sábado ocorre apenas três dias depois do atentado na basílica de Notre-Dame, em Nice, onde um jovem jihadista armado com uma faca matou três pessoas – entre elas uma brasileira – duas semanas depois da decapitação do professor Samuel Paty.

Embora se desconheçam as motivações do atacante de Lyon, o presidente do Parlamento europeu, David Sassoli, falou de um “novo atentado” e defendeu que a “Europa não se submeterá jamais à violência e ao terrorismo”.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, também condenou este “acto abominável” e afirmou que “a liberdade de consciência na Europa está garantida para todos e deve ser respeitada”.

O governo francês permitiu que os locais de culto permaneçam abertos até segunda-feira para a celebração do Dia de Todos os Santos, antes de voltarem a fechar devido ao novo ‘lockdown’ para conter a Covid-19.

Após o ataque a Nice, o Executivo elevou ao máximo o alerta antiterrorista e aumentou de 3.000 para 7.000 os soldados mobilizados no país para proteger escolas e locais de culto.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.