Galápagos repatria 36 tartarugas ameaçadas de extinção

Um grupo de 36 tartarugas gigantes nascidas em cativeiro, que são de uma espécie em extinção, foram repatriadas para o seu habitat natural, na Ilha de São Cristóvão, uma das principais ilhas do arquipélago equatoriano das Galápagos. A informação foi esta segunda-feira avançada pelo Parque Nacional Galápagos (PNG).

Os répteis da espécie Chelonoidis chathamensis foram introduzidos no seu habitat natural na parte noroeste da ilha, onde há uma população estimada de 6.700 desses animais, de acordo com um comunicado da reserva.

“As informações científicas que temos sobre estas tartarugas confirmam que os animais permanecem saudáveis, com uma boa estrutura populacional que garante a sua sobrevivência”, disse o director do Parque Nacional das Galápagos, Danny Rueda.

No entanto, a espécie está em risco de extinção de acordo com a União Internacional para Conservação da Natureza. As tartarugas, que têm entre seis e oito anos de idade e pesam entre três e cinco quilos, “passaram por um rigoroso processo de quarentena antes de serem soltas”, acrescentaram as autoridades equatorianas.

De acordo com o parque, a quarentena inclui medição de oxigenação, temperatura e frequência cardíaca, além de exames ao sangue e às fezes para descartar qualquer doença ou parasita, tudo realizado com o apoio do Centro de Ciências de Galápagos, da Universidade San Francisco, de Quito.

Nos últimos oito anos, foram repatriadas um total de 75 tartarugas Chelonoidis chathamensis criadas em cativeiro num centro de criação da Parque Nacional das Galápagos localizado no sul da Ilha de São Cristóvão.

As Ilhas Galápagos, a mil quilómetros da costa do Equador, possuem flora e fauna únicas no mundo e fazem parte da reserva da biosfera. O arquipélago, que serviu de laboratório natural para o cientista inglês Charles Darwin na elaboração de sua teoria sobre a evolução das espécies, tem o nome das tartarugas gigantes que lá vivem.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.