Em Setembro, o Pantanal ardeu como nunca tinha ardido

O Pantanal, a maior zona húmida do mundo, partilhada pelo Brasil, o Paraguai e a Bolívia, reportou este mês 6.048 incêndios, o que representa o maior número mensal de focos de fogo já registado na história do bioma, informaram fontes oficiais na quinta-feira.

Os focos de incêndio identificados entre os dias 1 e 23 de Setembro ultrapassaram os 5.993 registados nos 30 dias de Agosto de 2005, que era até agora o recorde de fogos detectados num só mês, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), uma organização estatal brasileira.

Em comparação com Setembro de 2019, quando foram identificados 2.887 focos de incêndio em 30 dias, os fogos já tinham aumentado 109 por cento

O Pantanal acumula ao longo deste ano 16.201 incêndios frente aos 12.536 reportados durante todo o ano de 2005, até então o pior na sua história.

As chamas destruíram já cerca de 22 por cento (mais de 3 milhões de hectares) do ecossistema.

De acordo com especialistas, os incêndios no Pantanal durante esta época são habituais, mas este ano houve factores que intensificaram a propagação do fogo, como a forte seca –a mais intensa em mais de quatro décadas – as altas temperaturas típicas da época, as alterações climáticas e a força do vento.

Contudo, organizações ambientalistas dizem que grande parte dos fogos foram provocados pelos proprietários de fazendas e por investidores interessados em ampliar as suas terras para cultivo e para a criação de gado.

Considerado um dos ecossistemas mais ricos do mundo em biodiversidade de flora e fauna, o Pantanal abriga cerca de 600 espécies de aves, 124 de mamíferos, 80 tipos de répteis, 60 de anfíbios e 260 de peixes de água doce.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.