Pequim responde a ameaças de Trump sobre “repressão” em Hong Kong

A República Popular da China ameaçou esta quarta-feira adoptar represálias contra os Estados Unidos da América, depois de o presidente norte-americano, Donald Trump, ter promulgado uma lei que prevê sanções perante a “repressão” imposta pelo Governo Central a Hong Kong.

O governo chinês adoptou em Junho uma dura lei de segurança nacional no vizinho território que provoca o temor de retrocesso das liberdades na antiga colónia britânica, um texto criticado por muitos países ocidentais.

Neste sentido,  Donald Trump aumentou a pressão na terça-feira e anunciou o fim do tratamento económico preferencial que Washington concedia até ao momento a Hong Kong, um importante centro financeiro internacional.

O presidente  norte-americano também promulgou uma lei que prevê sanções contra as autoridades de Hong Kong e da República Popular da China: “Hoje assinei a legislação e ordem executiva para que a República Popular da China seja responsabilizada pelas suas acções opressivas contra o povo de Hong Kong”, afirmou Trump, numa conferencia de imprensa.

O decreto acaba com o tratamento comercial preferencial em vigor até agora.

“Agora Hong Kong será tratado de maneira igual à China continental”, disse Trump, o que significa que o território perderá o tratamento económico especial e o acesso às exportações de tecnologia considerada sensível.

Donald Trump anuncio ainda  que não tem a intenção de participar num encontro com o presidente chinês, Xi Jinping, para reduzir as tensões.

O presidente norte-americano defendeu que muitos residentes de Hong Kong devem considerar abandonar o território, de 7,5 milhões de habitantes. “A liberdade foi-lhes retirada,  os seus direitos foram-lhes retirados”, disse.

Pequim considera a lei “uma interferência flagrante nos assuntos de Hong Kong e nos assuntos internos da República Popular da China”, afirma um comunicado divulgado na quarta-feira pelo Ministério chinês dos Negócios Estrangeiros.

“Para proteger os seus interesses legítimos, a China  vai diligenciar a resposta necessária e imporá sanções a pessoas e entidades americanas pertinentes”, afirmam as autoridades chinesas no comunicado.

Liberdade e estabilidade

A lei sobre a autonomia da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong, aprovada por unanimidade no início de Julho pelo Congresso norte-americano, tem como alvo não apenas as autoridades chinesas, mas também a polícia de Hong Kong.

O texto impõe sanções aos que actuam para restringir as liberdades. Além disso, penaliza os bancos que financiarem actividades que prejudiquem a autonomia do território: “A República Popular da China permanecerá firme na sua determinação e na sua vontade de proteger a sua soberania”, reitera Pequim, que garante não tem qualquer intenção de revogar a lei sobre a segurança nacional.

Os críticos afirmam que a lei representa um retrocesso inédito desde 1997, ano em que o território vizinho regressou à soberania chinesa.

O diploma propõe-se reprimir as actividades subversivas, a secessão, o terrorismo e o conluio com forças estrangeiras que coloquem em risco a segurança nacional.

Washington considera que o texto deseja calar a oposição de Hong Kong após as grandes manifestações pró-democracia do ano passado contra a influência de Pequim no território.

A China afirma, no entanto, que a lei trará mais estabilidade e acabará com a violência que marcou os protestos de 2019, além de permitir a repressão ao independentismo.

“Impacto devastador”

Julia Friedlander, do “think tank” Atlantic Council, destacou que as sanções americanas “criarão instantaneamente barreiras comerciais e terão um impacto devastador sobre Hong Kong como porta de entrada da China para os mercados ocidentais”.

Washington aumentou a pressão sobre Pequim nos últimos dias também em outros temas. Na segunda-feira, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, declarou apoio aos países vizinhos da China no conflito territorial no Mar do Sul da China.

Washington também alcançou uma vitória no braço-de-ferro contra o grupo chinês de telecomunicações Huawei, que a administração americana acusa de espionagem para o governo de Pequim, depois de a Grã-Bretanha ter anunciado na terça-feira que vai retirar da sua rede de Internet 5G todos os equipamentos produzidos pela empresa.

Na semana passada, o governo dos Estados Unidos anunciou que rejeitaria os vistos de três altos funcionários chineses acusados de planear, em nome da luta anti-terrorista, a repressão contra os muçulmanos uigures em Xinjiang, região autónoma do noroeste da China.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.