Austrália. Missão de resgate salva “árvores jurássicas”

Uma equipa de bombeiros australianos conduziu uma delicada operação para salvar as araucárias de Wollemi (Wollemia nobilis), espécies pré-históricas conhecidas como “árvores dinossauro”. Raras, as árvores corriam o risco de desaparecer  devido aos vorazes incêndios que afectam o sudeste australiano.

Menos de duas centenas de espécimes destas árvores sobrevivem em estado natural, escondidas num desfiladeiro situado nas Montanhas Azuis, a nordeste de Sidney. A região foi devastada por incêndios devastadores.

Quando as chamas começaram a aproximar-se – no final do ano passado – os bombeiros utilizaram aviões-tanque para retardar o fogo ao redor do precioso desfiladeiro, ao mesmo tempo que especialistas montavam no desfiladeiro um sistema de irrigação para evitar incêndios.

Matt Kean, ministro do Ambiente do Estado de Nova Gales do Sul, estado em que estão situadas as Montanhas Azuis, descreveu a operação como uma “missão de defesa ambiental sem precedentes”.

Enquanto as folhas das árvores da região eram devoradas pelas chamas, a floresta de Wollemi ficou a salvo, revelou Kean na quarta-feira.

As araucárias jurássicas, das quais se conhecem fósseis com mais de 200 milhões de anos, estavam consideradas extintas até a descoberta da pequena mancha florestal de Wollemi, em 1994.

A localização do desfiladeiro é um segredo bem guardado para que as árvores possam ser protegidas da acção dos visitantes, razão pela qual a missão foi conduzida em segredo: “As visitas são uma ameaça importante à sobrevivência destas araucárias de Wollemi devido ao risco de se calcar novas árvores ou à possibilidades de serem introduzidas doenças”, disse Kean.

Há árvores idênticas em jardins botânicos de todo o mundo para se preservar a espécie, mas o desfiladeiro de Wollemi é a única reserva natural da Wollemia nobilis.

Os incêndios que assolam a Austrália desde setembro – sem precedentes pela sua duração e intensidade – já mataram 28 pessoas, destruíram mais de 2 mil habitações e consumiram 10 milhões de hectares de vegetação, uma área maior que Portugal.

As chamas já mataram milhões de animais, levando muitas espécies à beira da extinção, de acordo com grupos de defesa do ambiente. Mas as fortes chuvas previstas para os próximos dias dão esperanças ao país.

O clima mais fresco dos últimos dias facilitou o trabalho dos bombeiros e permitiu controlar alguns dos incêndios mais importantes: “São, de facto boas notícias”, defendeu o responsável pelo Corpo de Bombeiros Rural de Nova Gales do Sul, Shane Fitzsimmons.

“Há meses que falamos desta possibilidade, que em janeiro teríamos as primeiras chuvas significativas, e parece que elas estão finalmente a chegar”, afirmou.

A chuva deve durar pelo menos até ao fim de semana, de acordo com a meteorologista Sarah Scully.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.