Pequim defende interdição à entrada de director da HRW em Hong Kong

O Governo da República Popular da China defendeu esta segunda-feira a sua decisão de negar a entrada na vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong ao director da Human Rights Watch (HRW), acusando a organização de defesa dos Direitos Humanos de incentivar os protestos na região.

“Trata-se de um direito soberano da China autorizar ou não a entrada de alguém no seu território”, defendeu Geng Shuang, porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, em conferência de imprensa.

Hong Kong é palco, desde Junho passado, de protestos quase diários, marcados por cenas de vandalismo e confrontos com a polícia, para denunciar a interferência de Pequim nos assuntos da região vizinha e exigir reformas democráticas e uma investigação independente à alegada brutalidade policial que caracterizou a repressão de muitos dos protestos.

Pequim acusa regularmente entidades e países estrangeiros, principalmente os Estados Unidos da América, de incentivarem as manifestações em Hong Kong, ao apoiarem publicamente os manifestantes ou receberem figuras do movimento pró-democracia: “Inúmeros factos e evidências mostram que esta organização apoiou, por vários meios, indivíduos que cometeram acções anti-China e causaram a desordem em Hong Kong”, acusou Geng.

“Ele tem grande responsabilidade pela situação caótica em que Hong Kong hoje se encontra. Este tipo de organizações merece ser punida, deve pagar o preço”.

O director da Human Rights Watch, Kenneth Roth, revelou no domingo que as autoridades de Hong Kong o proibiram de entrar no território, onde ele tinha planeado apresentar o relatório anual da organização não governamental, que tem sede em Nova Iorque: “Eu queria destacar os ataques cada vez mais fortes de Pequim contra os esforços internacionais para apoiar os direitos humanos”, disse. “Esta recusa é uma ilustração vívida desse fenómeno”, argumentou.

Em Dezembro passado, a China anunciou sanções – sem especificar a sua natureza – contra organizações governamentais norte-americanas, incluindo a HRW, em retaliação contra a aprovação pelo Congresso norte-americano de uma lei que apoia os manifestantes de Hong Kong.

Na origem da contestação está uma polémica proposta de emendas à lei da extradição de Hong Kong, entretanto retirada formalmente pelo Governo de Hong Kong, e que permitira extraditar criminosos para outras jurisdições, incluindo para a China continental.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.