Xinjiang. Parlamentares norte-americanos acusam China de “crimes contra a humanidade”

Uma comissão parlamentar norte-americana acusou na quarta-feira a China de cometer “crimes contra a humanidade” na repressão da minoria muçulmana uigure em Xinjiang, no que Pequim considerou serem “críticas arbitrárias”.

“A comissão considera que as autoridades chinesas podem estar a cometer crimes contra a humanidade contra os uigures e outros muçulmanos turcófonos”, afirmam os eleitos norte-americanos num relatório.

“Falamos de crimes contra a humanidade numa escala muito grande”, insistiu Chris Smith, membro da Comissão, durante uma conferência de imprensa, assinalando que os uigures passam por “algo nunca visto desde a Segunda Guerra Mundial”.

Defendeu assim que o presidente chinês, Xi Jinping, deve “ser responsabilizado por este comportamento hediondo”.

As autoridades chinesas conduzem naquela região do noroeste do país uma política de segurança máxima em resposta a atentados mortíferos, com explosivos e armas brancas, contra civis, atribuídos a separatistas uigures.

Várias organizações de defesa dos direitos humanos acusam a República Popular da China de ter internado pelo menos um milhão de muçulmanos em “campos de reeducação” em Xinjiang.

Pequim desmente aquele número e fala de “centros de formação profissional”, visando ajudar a população a encontrar um emprego, afastando a tentação do extremismo religioso.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês rejeitou as conclusões do relatório e acusou a comissão parlamentar de “críticas arbitrárias contra a China”: “Esta dita comissão está cheia de preconceitos (…) não tem a mínima credibilidade”, declarou num contacto regular com a imprensa Geng Shuang, porta-voz da diplomacia chinesa. “Exortamo-la a fazer um exame de consciência face a problemas de direitos humanos nos Estados Unidos da América e a parar de distorcer os factos e de arrastar a China pela lama”, adiantou.

O co-presidente da comissão Marco Rubio, senador republicano próximo do Presidente Donald Trump, assegurou que o Congresso aprovará em breve sanções dirigidas a responsáveis chineses e para restringir as exportações para a China de material de vigilância que poderá ser utilizado em Xinjiang.

A Câmara dos Representantes (câmara baixa do Congresso) aprovou em Dezembro um projecto de lei apelando à imposição de sanções à República Popular da China, causando a indignação de Pequim. O Senado (câmara alta) também adotou uma iniciativa nesse sentido e as duas câmaras do Congresso deve agora entender-se sobre um texto comum.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.