Empresa turca diz que Ghosn usou jatos de forma ilegal para fugir do Japão

Uma empresa turca de jatos particular afirmou esta sexta-feira que o ex-presidente da Nissan, Carlos Ghosn, usou dois dos seus aviões ilegalmente para fugir do Japão. Um funcionário falsificou registos do aluguer para excluir o nome do executivo dos documentos.

A MNG Jet disse que registou uma queixa criminal em relação ao incidente um dia depois de a polícia turca deter sete pessoas, incluindo quatro pilotos, numa investigação sobre a passagem de Ghosn por Istambul a caminho do Líbano.

Ghosn tornou-se um fugitivo internacional depois de revelar, na terça-feira, que fugiu para o Líbano para escapar do que classificou como sendo um sistema de justiça “manipulado” no Japão, onde enfrenta acusações relacionadas com alegados crimes financeiros.

Na quinta-feira, o Líbano recebeu um mandado de prisão da Interpol para Ghosn, cuja fuga inesperada da sua casa, em Tóquio, para uma residência em Beirute ainda não foi totalmente explicada.

Citando fontes investigativas, a emissora pública japonesa NHK disse que uma câmara de vigilância filmou o ex-presidente da Nissan Motor a sair de sua residência de Tóquio sozinho pouco antes da fuga.

As imagens foram feitas por uma câmara instalada na sua casa no centro da capital japonesa perto do meio-dia de domingo. A câmara não o mostrou a regressar, disse a NHK.

Na manhã de segunda-feira, Ghosn já tinha pousado em Istambul. A MNG Jet disse em comunicado que alugou dois jatos a dois clientes diferentes por meio de acordos que “aparentemente não estavam conectados um ao outro”. Um avião voou de Osaka para Istambul, e o outro de Istambul para Beirute.

“O nome do senhor Ghosn não apareceu na documentação oficial de nenhum dos voos”, disse. “Depois de ter sabido pelos meios de comunicação social que o aluguer estava a beneficiar o senhor Ghosn, e não os passageiros declarados oficialmente, a MNG Jet iniciou um inquérito interno e registou uma queixa criminal na Turquia”, acrescentou.

Um funcionário admitiu ter falsificado os registos e confirmou que “agiu individualmente”, de acordo com a empresa.

Os pilotos e outros detidos, incluindo dois empregados de Aeroporto e um funcionário do sector de carga, foram presentes aos tribunais nesta sexta-feira depois de terem prestado declarações s à polícia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.