Índia. Suspeitos de violação colectiva abatidos a tiro pela polícia

As forças de segurança indianas revelaram que mataram quatro homens acusados de violação colectiva e assassínio de uma mulher de 27 anos durante a reconstituição do crime. A violação ocorreu em Novembro, na cidade de Hydarabab, a capital tecnológica da Índia.

Os quatro suspeitos foram mortos enquanto tentavam escapar durante a reconstituição que ocorreu na quinta-feira à noite na cidade de Hyderabad, no sul do país, informou fonte policial à agência de notícias France-Presse.

“Eles foram mortos num fogo cruzado, depois de tentarem apreender a arma dos guardas, mas foram baleados”, explicou o vice-comissário de polícia de Hyderabad, Prakash Reddy. “Chamámos uma ambulância, mas eles morreram antes da chegada da ajuda médica”, acrescentou.

Os quatro foram detidos na semana passada e acusados de violar e assassinar uma veterinária, cujo corpo foi queimado. De acordo com a polícia, a vítima foi sequestrada na noite de 27 de Novembro. Os quatro homens teriam perfurado um dos pneus do motociclo da mulher e, depois, ofereceram-se para a ajudar.

A vítima ainda ligou para a irmã mais nova para explicar que um grupo de homens se oferecera para consertar a ‘scooter’. A jovem indicou, contudo, que estava “assustada”, de acordo com o testemunho dado pela familiar à polícia. Mais tarde, quando a irmã procurou ligar de volta, o telefone estava já desconectado.

Segundo a polícia, os restos carbonizados do corpo da vítima foram descobertos na manhã seguinte, sob uma ponte. O corpo foi colocado num cobertor e, depois, regado com gasolina antes de ser queimado.

No sábado, a polícia dispersou à força centenas de manifestantes que tentaram entrar na esquadra onde os quatro se encontravam detidos.

No parlamento nacional, a ex-actriz Jaya Bachchan defendeu que os culpados deviam ser “linchados em público”.

De acordo com os últimos dados oficiais, mais de 33.000 violações foram registadas no país em 2017, dos quais mais de 10.000 foram cometido sobre vítimas menores.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.