A “bolha”. A nova atracção do Parque Zoológico de Paris é um mistério (c/vídeo)

Um Parque Zoológico de Paris apresentou esta quarta-feira um novo organismo misterioso, apelidado de “a bolha”. Trata-se de um pequeno ser vivo unicelular amarelado que parece um fungo, mas que age como um animal.

A mais nova atracção do Parque Zoológico de Paris, que será exibida ao público a partir de sábado, não tem boca, estômago ou olhos, mas pode detectar e digerir alimentos. O mais recente inquilino do Parque Zoológico de Paris é um bolor limoso, um organismo que não tem lugar claro na organização das espécies: nem planta, nem animal, nem fungo.

Com o nome científico “Physarum polycephalum”, é uma curiosidade biológica composta originalmente por uma célula que é capaz de comportamentos complexos e é comum em bosques ou ambientes húmidos como uma massa amarela, esponjosa e viscosa. É a primeira vez que é exposta num zoológico.

Nas câmaras de cultura do Parque Zoológico do Bois de Vincennes, são criados novos exemplares todos os dias a partir da mesma amostra, que tem uma versatilidade que lhe permite sobreviver num estado de dormência quando é seco – até no microondas – e regressar à vida quando exposto a humidade.

Graças à corrente que passa pelo seu sistema vascular, move-se a uma velocidade de um a quatro centímetros por hora e apesar de não ter sistema nervoso, é capaz de memorizar, como provam experiências em que o organismo é capaz de “aprender” a crescer evitando pedras de sal colocadas no seu caminho.

A etóloga Audrey Dussutour, do Centro Nacional de Investigação Científica, disse à agência France Presse que podem ser criados bolores “de todos os tamanhos”, porque “não há limite conhecido”.

Entre os técnicos do zoológico, ganhou o nome de “bolha” – em inglês, “blob” -, com inspiração num filme de ficção científica datado de 1958, com Steve McQueen no principal papel, em que uma substância viscosa extraterrestre engolia tudo no seu caminho: “A nossa missão é também mostrar os mistérios da natureza”, disse o presidente do Museu Nacional de História Natural e Parque Zoológico, Bruno David, durante a apresentação à imprensa do organismo primitivo que terá surgido há 500 milhões de anos, antes ainda do reino animal.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.