Ho Iat Seng condenou actos de violência em Hong Kong

O presidente demissionário da Assembleia Legislativa (AL), Ho Iat Seng, condenou esta sexta-feira os actos de violência que marcaram os último protestos em Hong Kong contra a lei da extradição. A manifestação culminou na invasão do Conselho Legislativo do território vizinho.

“Acho muito triste e lamentável”, afirmou numa conferência de imprensa que serviu para realizar um balanço do seu mandato, no dia em que renunciou efectivamente às funções para se focar na candidatura a chefe do Governo.

Antes, disse aos jornalistas que preferia não se pronunciar sobre uma matéria que é da competência das autoridades de Hong Kong.

A 18 de Junho, numa outra conferência de imprensa, enquanto candidato ao lugar de chefe do Executivo de Macau, Ho Iat Seng defendeu que as “forças exteriores” deviam deixar Hong Kong resolver internamente o problema da lei da extradição, que tem motivado protestos de grande dimensão.

“Espero que as forças exteriores não interfiram nos assuntos internos de Hong Kong”, disse então, quando questionado pelos jornalistas sobre a polémica que se vive na antiga colónia britânica com a proposta de lei que permitiria extraditar suspeitos de crimes para territórios com os quais não dispõe de acordo prévio, como é o caso da República Popular da China.

Em pouco menos de um mês, Hong Kong viveu quatro grandes protestos contra as emendas à lei da extradição, com números recorde de participação, dois deles marcados por violentos confrontos entre a polícia e manifestantes.

Os protestos obrigaram a chefe do Executivo, Carrie Lam, a suspender a discussão da proposta de lei e a pedir desculpas à população. Contudo, Carrie Lam recusou-se sempre a retirar definitivamente a proposta de lei.

A 1 de Julho, centenas de manifestantes invadiram e vandalizaram o parlamento de Hong Kong.

Proposta em Fevereiro e com uma votação final inicialmente prevista para 20 de Junho, as alterações permitiriam que a chefe do Executivo e os tribunais de Hong Kong processassem pedidos de extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da República Popular da China.

Os defensores da lei argumentam que, caso se mantenha a impossibilidade de extraditar suspeitos de crimes para países como a República Popular da China, tal poderá transformar Hong Kong num “refúgio para criminosos internacionais”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.