Paquistão. Supremo Tribunal adia decisão sobre cristã condenada por blasfémia

Asia Bibi foi acusada de blasfémia em 2009 e viu um tribunal paquistanês decretar a pena capital um ano depois. Bibi encontra-se detida desde Junho de 2010 e espera desde há quatro anos pela decisão final do Supremo Tribunal de Justiça do Paquistão.

O Supremo Tribunal do Paquistão adiou esta segunda-feira a sua decisão sobre o último recurso de Asia Bibi, uma cristã condenada à morte por blasfémia e detida desde Junho de 2010.

O júri composto por três juízes e liderado pelo presidente do conselho, Mian Saqib Nisar, ouviu as declarações do advogado da queixosa, Saiful Malook, que tinha declarado antes da audiência não haver “nenhuma prova contra” Asia Bibi: “Espero que ganhe”, disse Malook em declarações à agência de notícias espanhola EFE.

Asia Bibi foi acusada de blasfémia em 2009, após ter alegadamente insultado o profeta Maomé durante uma discussão com um grupo de mulheres com quem trabalhava, enquanto recolhiam água de um poço.

Em Novembro de 2010, um tribunal paquistanês decretou a pena capital, mas a sentença só foi confirmada quatro anos depois pelo Supremo Tribunal de Lahore, capital da província de Punjab, onde ocorreu o incidente.

A blasfémia é uma questão extremamente sensível no conservador Paquistão e mesmo acusações não provadas resultam muitas vezes em violência popular. O caso de Asia Bibi tem originado críticas internacionais contra o país islâmico.

Em 2011, o ex-governador de Punjab Salman Taseer, que defendia publicamente a causa de Asia Bibi, foi morto a tiro por um dos guarda-costas, Mumtaz Qadri, executado anos depois.

Após a execução de Qadri, foi criado em 2016 o partido radical paquistanês Tehreek-e-Labbaik Paquistão (TLP), que ameaçou hoje com “perigosas consequências” se Bibi for declarada inocente no recurso sobre a sentença de morte.

“Se não se fizer justiça e a condenada Asia for tratada com indulgência ou tentar fugir para outro país, haverá perigosas consequências”, indicou o TLP num comunicado, adiantando que o governo paquistanês não deve ceder à pressão das organizações não-governamentais, “inimigos do país”, ou da União Europeia e deve confirmar a pena de morte.

O Supremo Tribunal do Paquistão não indicou quando anunciará a sua decisão.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.