Kim Jong-un recebido por Xi Jinping em visita surpresa a Pequim

Os rumores só esta manhã foram confirmados, depois de Kim Jong-un ter regressado à Coreia do Norte. O líder norte-coreano esteve reunido com o homólogo chinês, a quem reiterou o interesse na “desnuclearização” da península coreana. Xi Jinping foi convidado para visitar Pyongyang.

Kim Jong-un pronunciou-se esta terça-feira a favor da “desnuclearização” da península coreana e confirmou a intenção de se reunir em Maio com o presidente norte-americano Donald Trump. As garantias foram ontem dadas em Pequim, no âmbito da visita histórica que o líder norte-coreano fez à República Popular da China.

Ao fim de um dia e meio de incerteza, a agência oficiual Xinhua confirmou às primeiras horas da manhã desta quarta-feira a visita a Pequim por parte de Kim Jong-un, a primeira que o responsável norte-coreano fez ao estrangeiro depois de ter assumido o poder, no final de 2011. Durante o encontro, Kim esteve reunido com o seu homólogo Xi Jinping, naquele que foi o ponto alto de uma visita oficial que se prolongou entre a noite de domingo e a madrugada de quarta-feira.

“Nunca tive qualquer dúvida de que a minha primeira visita ao estrangeiro teria que ser à capital chinesa”, disse Kim Jong-un, de acordo com declarações esta manhã emitidas pela agência oficial norte-coreana KCNA. “Encaro tal como um dever solene”, complementou o dirigente.

Durante o encontro que manteve com Xi Jinping, o líder do regime de Pyongyang reiterou a intenção de se reunir com o presidente norte-americano, Donald Trump, depois de meses em que Washington e a Coreia do Norte se entretiveram a trocar acusações.

A Coreia do Norte “está preparada para dialogar com os Estados Unidos e a participar numa cimeira entre os dois países”, adianta a agência Xinhua, citando Kim Jong-un.

O líder norte-coreano, que ao longo dos últimos anos conduziu uma série de ensaios nucleares e balísticos, mostrou-se ainda favorável à desnuclearização da penínsual coreana. “A nossa posição constante é a de favorecer a desnuclearização da península coreana, respeitando a vontade do antigo presidente Kim Il-Sung e do antigo secretário-geral Kim Jong-il”, noticia ainda a agência noticiosa oficial da República Popular da China.

Kim vestido de Mao

A televisão pública chinesa CCTV difundiu imagens de Kim Jong-un e de Xi Jinping a trocar cumprimentos, tendo como pano de fundo as bandeiras de ambos os países. O presidente da Coreia do Norte foi recebido pelo homólogo chinês no Grande Palácio do Povo, estrutura que foi ainda palco de um banquete em honra de Kim Jong-un e da esposa, Ri Sol-ju, no que a Xinhua apelidou de uma “visita não oficial”.

Xi Jinping e o seu hóspede, que envergou um fato cinzento similiar aos que Mao Zedong usava, escutaram os hinos de ambos os países, antes de passar as tropas em revista.

A visita de Kim Jong-un a Pequim foi tornada pública na segunda-feira por meios de comunicação social do Japão, que davam conta de que um alto dirigente norte-coreano se encontraria em Pequim. O nome de Kim Jong-un, no entanto, só na terça-feira foi avançado. Os meios de comunicação social chineses só confirmaram a visita, depois de Kim Jong-un ter regressado à Coreia do Norte.- na última madrugada.

“Tive discussões frutuosoas com o presidente Xi Jinping sobre o desenvolvimento das relações entre as duas partes e entre os dois países, a nossa situação interna, a manutenção da paz e da estabilidade na península coreana e outras questões”, disse Kin Jong-un durante o debate, citado pela agência Xinhua.

Xi Jinping, por sua vez, saudou a amizade entre os dois países, forjada no âmbito da Guerra da Coreia (1950-53): “Trata-se de uma escolha estratégica e de pleno bom senso, a escolha feito por ambos os países tendo por base a história e a realidade”, declarou o dirigente norte-coreano. Xi Jinping terá aceitado o convite que lhe foi feito para visitar a Coreia do Norte, indicava esta manhã a agência noticiosa norte-coreana.

A visita a Pequim de Kim Jong-un constitui um regresso da diplomacia chinesa a um primeiro plano, depois de ter sido aparentemente marginalizada pelo anúncio feito por Seul de que Kim e Trump se deverão encontrar em Maio. Antes da deslocação de Kim a Pequim, os dois responsáveis políticos nunca tinham estado juntos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.