Guerra comercial. Pequim ameaça responder na mesma moeda

Amor com amor se paga. Depois de Washington ter anunciado a subida das tarifas alfandegárias de alguns dos produtos e das matérias-primas exportadas pela China, o Governo de Pequim ameaça retaliar com o recurso à mesma prática. A carne de porco e os tubos de alumínio poderão ser os produtos visados pelas autoridades chinesas.

A República Popular da China ameaçou esta sexta-feira aumentar as tarifas aplicadas às importações de bens provenientes dos Estados Unidos da América, nomeadamente carne de porco e tubos de alumínio, em resposta à medida tomada pelo Presidente norte-americano, incindindo sobre aço e o alumínio e sobre cerca de 1300 outros bens.

O Ministério do Comércio de Pequim informou que a China, no ano passado, comprou cerca de três mil milhões de dólares de bens agora sujeitos a taxas alfandegárias agravadas. O organismo criticou a decisão de Trump, por violar os princípios do comércio internacional.

As medidas que a China ameaça tomar espelham o aumento das taxas alfandegárias, decididas por Trump, de 25 por cento sobre as importações de aço e 15 por cento sobre as de alumínio, ao imporem aumentos de 25 por cento nestas taxas em alguns bens e 15 por cento em outros.

Numa primeira reacção, os dirigentes de Pequim já tinham pedido ao Presidente norte-americano, Donald Trump, que abandonasse as ameaças de sanções comerciais, apenas algumas horas depois de este ter assinado “um documento que orienta a agressão económica da China”.

A posição chinesa foi divulgada através de um comunicado da embaixada da China nos Estados Unidos da América: “Exortamos os EUA a anularem a sua decisão, a tomarem decisões prudentes e a não colocarem as relações comerciais com a China em perigo”, aconselha-se no texto.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.