Taiwan: Pequim não vai tolerar impulsos independentistas

O aviso foi esta manhã feito por Li Keqiang na sessão de abertura da Assembleia Nacional Popular: as autoridades chinesas não estão dispostas a tolerar qualquer tipo de devaneios independentistas. A semana passada, movimentos independentistas formosinos lançaram uma campanha tendo em vista a realização de um referendo já no próximo ano.

A República Popular da China avisou esta segunda-feira Taiwan que não vai tolerar qualquer “fantasia independentista” por parte do Executivo da Formosa. O avisou chegou pela boca do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, numa altura de renovadas tensões entre Pequim e Taipé, dada a reaproximação de Taiwan a Washington.
“Não será tolerada qualquer actividade relacionada com a independência de Taiwan”, sublinhou o dirigente, na apresentação do relatório do Governo aos cerca de 3.000 delegados da Assembleia Nacional Popular (ANP) que estão desde hoje reunidos na capital chinesa.
“Continuaremos firmes na defesa da soberania nacional e da integridade territorial da China”, afirmou o responsável.
China e Taiwan são formalmente territórios autónomos desde 1949, altura em que o antigo governo do Kuomintang se refugiou na ilha, após perder a guerra civil frente aos comunistas.
No entanto, Pequim considera Taiwan parte do seu território, recusando atribuir à Formosa o estatuto de entidade política soberana. A aviso de Li Keqiang materializou-se depois de, na semana passada, o senado norte-americano ter aprovado uma nova Lei de Viagens a Taiwan, que permite visitas mútuas de funcionários de alto nível.
A votação do Senado ocorreu no mesmo dia em que movimentos independentistas taiwaneses lançaram uma campanha para a celebração de um referendo sobre a independência da ilha, em Abril de 2019.
A imprensa oficial chinesa escreveu que Pequim poderá recorrer de forma “inevitável” à força para resolver as disputas com Taiwan, como previsto na lei antissecessão.
O diploma incumbe o governo e exército chineses de “decidir sobre a execução dos meios não pacíficos” contra Taiwan, caso sejam “esgotadas” as possibilidades de “reunificação pacífica”.
Desde o XIX Congresso do Partido Comunista Chinês (PCC), que se realizou Outubro passado, que as incursões de aviões militares chineses no espaço aéreo taiwanês se intensificaram, levando analistas a considerarem como cada vez mais provável que a China possa invadir Taiwan.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.